Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

JP Simões (Bloom)

Azáfama

JP Simões: “Há muitas pessoas que não têm paciência para mim. Eu próprio não tenho paciência para bêbados”

“Já fui mais um alcoólico público e aprendi muitas lições com isso, depois de sofrer um certo ostracismo. Saio à noite desde os 13 anos. Era uma experiência massacrante, por isso, comecei a beber também. É uma justificação parva, mas não deixa de ser sincera. Acredito que as novas gerações não caem tanto nesse erro”, reflete JP Simões, que acaba de lançar um novo álbum, sob identidade Bloom

JP Simões, que acaba de lançar o álbum "Drafty Moon", assinado enquanto Bloom, abordou em entrevista o papel dos "excessos" no seu percurso.

"A questão dos excessos na minha vida ainda não está resolvida. Para mim, é muito fácil beber [demasiado] e ficar magoado ou a dizer coisas estúpidas. Uma coisa é certa: os excessos podem fazer acontecer aventuras mais interessantes do que o nosso dia a dia, que muitas vezes se resume a ir da casa para o trabalho, mas é impossível trabalhar sobre o efeito. Eu, pelo menos, não consigo", garante, dizendo que "toda a [sua] música foi feita sóbrio, tirando algumas partes cantadas depois de uns jantares", afirmou ao jornal "inevitável".

"Já fui mais um alcoólico público e já aprendi muitas lições com isso, depois de sofrer um certo ostracismo", partilha ainda. "Mas há muitas pessoas que não têm paciência para mim. Eu próprio não tenho paciência para bêbados, foi por isso que comecei a beber. Em Coimbra, todos os meus amigos andavam bêbados. Saio à noite desde os meus 13 anos. Era uma experiência massacrante, por isso comecei a beber também. É uma justificação parva, mas não deixa de ser sincera."

Para JP Simões, "estes valores de boémia e libertação social já disseram mais às pessoas. As novas gerações têm outros valores e não sentem tanto essa vontade de (...) beber por serem demasiado sensíveis e para esquecerem os seus problemas — aquelas coisas típicas da minha adolescência. Felizmente, acredito que as novas gerações não caem tanto nesse erro", conclui.

JP Simões foi o convidado do Posto Emissor, podcast semanal da BLITZ, há algumas semanas. Pode ouvir a nossa conversa com o ex-Belle Chase Hotel aqui: