Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Dave Grohl e Kurt Cobain, em 1991

Paul Bergen/Getty Images

Disseram a Dave Grohl que Kurt Cobain tinha morrido um mês antes do seu trágico desaparecimento

“Os meus joelhos cederam e deixei cair o telefone. Ele tinha morrido”. Dave Grohl recorda, no seu novo livro de memórias, o telefonema que recebeu um mês antes da morte de Kurt Cobain

Dave Grohl recorda, no seu novo livro de memórias "The Storyteller: Tales of Life and Music", um telefonema que recebeu a 3 de março de 1994 durante o qual lhe disseram que Kurt Cobain, seu colega nos Nirvana, tinha morrido com uma overdose num hotel em Roma. O líder da banda norte-americana viria a suicidar-se um mês depois.

"Os meus joelhos cederam e deixei cair o telefone ao cair para o chão do meu quarto, cobrindo a cara com as mãos enquanto começava a chorar", escreve o músico, "ele tinha morrido. Aquele jovem tímido que me tinha oferecido uma maçã quando nos apresentaram no aeroporto de Seattle tinha desaparecido".

Grohl diz que foi "assaltado pela mais profunda tristeza" mas que, momentos depois, recebeu uma outra chamada na qual lhe foi comunicado que afinal o amigo estava vivo. "Em cinco minutos passei do dia mais negro de toda a minha vida a sentir-me renascido", recorda.

Contudo, a 8 de abril, pouco mais de um mês depois, o músico foi informado da morte de Cobain, que se suicidara três dias antes. "Desta vez era a sério. Ele tinha morrido. Não houve um segundo telefonema para emendar o que estava errado. Para inverter a tragédia. Era final", escreve Grohl no livro.