Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Nirvana

Getty Images

30 anos de Nevermind. “Somos novos, zangados, um bocado estúpidos e fazemos muito barulho”, dizia Dave Grohl ao BLITZ em 1994

Em 1994, o jornal BLITZ publicava uma longa entrevista com Dave Grohl, em antecipação do primeiro concerto da banda de Seattle em Portugal. Modesto, simpático e paciente, o baterista falava sobre as influências, as crises, as vontades e os segredos de uma banda que — sabemo-lo hoje — estava prestes a acabar. “Vai ser o melhor concerto das nossas vidas”, prometia. Leitura obrigatória

António Pires e Gabriela Carrilho

Dos Nirvana já muito se falou neste jornal. Da história, dos discos, do movimento que despoletaram – o grunge –, de quase tudo o que acontece regularmente à banda de Kurt Cobain, Dave Grohl e Chris Novoselic. Faltava a entrevista. Faltava, mas já não falta. O BLITZ publica hoje uma entrevista exclusiva com Dave Grohl, baterista dos Nirvana, que diretamente de Seattle contou tudo e mais alguma coisa sobre o surgimento do fenómeno Nirvana, as relações da banda com as editoras e a indústria musical em geral, as influências, as crises, as vontades, os segredos. Modesto, simpático, paciente, Dave prometeu um bom concerto dos Nirvana para domingo, no Pavilhão do Dramático de Cascais.

A última edição da revista britânica «Vox» falava de 22 novos grupos americanos e caracterizava-os em quatro itens. Um desses itens era ‘Nirvana Connection’. Vocês assumem esse papel de cabeça da nova música americana?
Oh! God. Não sei. E difícil, para mim, pensar em coisas como essa. Há um milhão de bandas no mundo, umas realmente boas, outras más, mas de tantos estilos musicais diferentes, que é difícil pensarmos em nós como algo de especial. Lançámos um disco que vendeu muito e as pessoas consideram-nos algo de especial, mas é difícil eu pensar o mesmo. Nós não somos os líderes de nenhum movimento musical. Somos apenas um grupo que faz música excitante. Repara que há muitos anos que o espírito do punk está vivo na América e há muitas bandas que só agora estão a ser reconhecidas, devido ao sucesso comercial da música alternativa. É injusto. Há bandas como os Meat Puppets ou os Buzzcocks, que são bandas fabulosas que andam nisto há mais de 15 anos, e que só agora estão a ser reconhecidas, porque a indústria musical está a pensar fazer dinheiro com eles e com outras bandas underground e alternativas. Quer dizer, não acho que sejamos líderes do que quer que seja...

Artigo Exclusivo para assinantes

BLITZ é uma marca do Expresso.

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler