Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Jorge Palma

Rita Carmo

Jorge Palma chora a morte de Olga Prats. "Grande pianista, excelente professora, pessoa de caráter forte e gentil, de doçura extraordinária"

Jorge Palma escreveu um texto emocionado sobre Olga Prats, a pianista que morreu na passada sexta-feira e que foi sua professora. "Nunca a vi zangada", recorda Jorge Palma

Jorge Palma partilhou, nas redes sociais, uma mensagem a propósito da morte, na passada sexta-feira, da pianista Olga Prats, que foi sua professora.

"Morreu a minha amiga Olga Prats. Grande pianista, excelente professora, pessoa de caráter forte e gentil, de uma doçura extraordinária", recorda o músico. "Antes de ter sido minha professora no Curso Superior de Piano do Conservatório Nacional, tínhamos ambos apoiado a candidatura de Maria de Lurdes Pintassilgo à Presidência da República, em 1986."

"Mais tarde, em 2002, foi ela quem me telefonou para me dizer que eu tinha ganho o prémio José Afonso desse ano. Durante os últimos 40 anos foram muitos os encontros, entre aulas de piano, reuniões, concertos do Opus Ensemble e dela própria a solo, visitas e palcos. Foi ela quem me dirigiu para o Miguel Henriques - meu último professor de piano no Conservatório -, já que passou a fazer parte da equipa que se dedicou à reestruturação do novo Curso Superior de Música."

"Nunca a vi zangada, falava-me apaixonadamente de pessoas como a Constança Capdeville, Fernando Lopes-Graça ou Astor Piazzolla, de cujas obras para piano foi a principal e brilhante intérprete em Portugal. Vi-a triste e desconsolada aquando das mortes sucessivas destes três compositores, assim como do falecimento de Bruno Pizzamiglio - oboísta e chefe de orquestra, um dos quatro elementos fundadores do Opus Ensemble - e, sobretudo, quando perdeu o seu filho João."

Jorge Palma lembrou ainda a última vez que esteve com Olga Prats: "Estivemos juntos pela última vez em 2019, quando aceitou ser minha convidada especial no programa de televisão 'Alta Fidelidade', apresentado pelo Vasco Palmeirim", diz, rematando: "Olga Prats deixa-nos um imenso legado discográfico e a memória do seu generoso e terno sorriso."

Veja abaixo a homenagem de Jorge Palma e leia aqui uma longa entrevista de Olga Prats ao "Expresso".

Instagram

Recorde aqui a entrevista que Jorge Palma deu à BLITZ, em setembro do ano passado.

  • Vilar de Mouros foi há 50 anos. A história do “Woodstock português”, o 'pai' dos festivais de verão em Portugal

    Notícias

    A 31 de julho de 1971 tinha início o festival Vilar de Mouros, evento que ganharia contornos históricos e que trouxe a uma pequena aldeia minhota uma figura de primeira linha do pop/rock internacional da época, Elton John, e a nata da música portuguesa - sob atenta vigilância da polícia política. Não ficamos apenas por essa primeira 'pedra' (que, na verdade era a quinta, já que outras músicas se ouviram por ali entre 1965 e 1968), passando em revista o historial de um festival que receberia ao longo das décadas seguintes vultos como U2, Bob Dylan, Neil Young ou Sonic Youth. Parabéns, Vilar de Mouros!