Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

The Black Keys: Dan Auerbach e Patrick Carney (esq.-dir.)

Alysse Gafkjen

The Black Keys: “Nunca tínhamos estado em Portugal, vamos aí pela primeira vez e tocamos logo para 12 mil pessoas!”

São uma das maiores forças do rock do século XXI. Em 2021, os Black Keys acabam de lançar “Delta Kream”, um álbum de homenagem aos seus heróis dos blues, gravado em duas patuscadas após mais uma grande digressão. Patrick Carney, metade da dupla norte-americana, fala-nos da sua paixão por “música esquisita”, do hobby improvável a que se dedicou durante a pandemia e da vida na estrada. E recorda também a primeira vinda a Portugal, que diz ser um dos seus países preferidos

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Há 20 anos que Dan Auerbach (voz e guitarra) e Pat Carney (bateria) são os Black Keys. Mas os dois músicos de Akron, no Ohio, conhecem-se desde a infância, considerando-se mais "irmãos " ("estatuto" que inspirou o título do seu álbum de maior sucesso, "Brothers", em 2010) do que simples amigos ou companheiros de banda. Há poucas semanas, lançaram "Delta Kream", uma homenagem a alguns dos seus músicos blues favoritos, como R.L. Burnside ou Junior Kimbrough, composto por versões daqueles artistas, gravadas de forma descontraída após a digressão de "Let's Rock" (2019) - e antes da pandemia, que Pat Carney aproveitou para se dedicar à família (tem um filho de 2 anos com a cantora Michelle Branch) e aprender a jogar golfe. Ao telefone de Nashville, onde vive, o baterista falou-nos dos altos e baixos do seu percurso com os Black Keys e do que mais o atrai nos blues - e na bateria.

Como está a situação da pandemia onde vive?
Onde eu vivo, em Nashville, ainda há restrições no que toca às lotações das salas, mas os números [de infeções] já desceram muito e a vacinação está a avançar bem. O que se diz, entre músicos, é que já devemos poder dar concertos normais lá para agosto.

E já levou a sua vacina?
Já levei! Como muitas pessoas estão céticas e não a querem tomar, sobraram vacinas e deram-nas antes que se estragassem. Começaram a dá-las às pessoas mais novas.

Artigo Exclusivo para assinantes

Aproveite já a campanha Black Friday

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler