Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Marilyn Manson

Getty Images

Ex-namorada de Marilyn Manson temeu pela sua vida. "Sobrevivi a um monstro"

"Não sou uma vítima, sou uma sobrevivente. Quero que as pessoas saibam quem ele é e, se mais nenhuma mulher sofrer [às suas mãos], vai valer a pena", afirma a ex-modelo, que conta ter sido seduzida pela inteligência de Marilyn Manson

Uma das várias mulheres que acusam Marilyn Manson de abuso sexual e maus tratos, Ashley Morgan Smithline deu uma longa entrevista à revista "People" sobre a sua relação com o músico.

"Sobrevivi a um monstro", garante a ex-modelo de 36 anos, contando que Marilyn Manson chegou a violá-la. Outros atos de violência sexual incluiram ser mordida e chicoteada durante as relações sexuais, bem como cortada na perna (Smithline deixou-se fotografar para a revista, mostrando a cicatriz). A ex-namorada de Marilyn Manson conta também que, sempre que o músico se irritava consigo, a trancava na "sala das meninas más" - um quarto à prova de som - e que a obrigou a fazer um "pacto de sangue".

Ashley Morgan Smithline aproximou-se de Marilyn Manson no verão de 2010, quando trabalhava como modelo e o artista a convidou para participar num filme. "Ele seduziu-se com a sua grande inteligência". recorda. "Parecia-me ser brilhante e ainda acho que é. Falávamos sobre Nabobov e Tolstoi e filmes estrangeiros, mas não de forma pretensiosa - como verdadeiros apreciadores de arte e literatura."

Smithline, que é de origem judia acusa ainda Manson de lhe ter pedido que arranjasse memorabilia nazi; de lhe marcar as suas iniciais numa costela, de lhe ter partido o nariz e de a ter penetrado enquanto dormia. "Dizia-me sempre que, se estivermos apaixonados por alguém, não é violação", diz. "Sofri uma lavagem cerebral e sinto-me nojenta."

Ao conhecer outras das acusadoras de Marilyn Manson, em setembro de 2020, Smithline diz que começou a sentir menos "culpa e vergonha" daquilo pelo que passou e lhe causou terrores noturnos, transtorno obsessivo-compulsivo e stress pós-traumático.

"Não sou uma vítima, sou uma sobrevivente. Quero que as pessoas saibam quem ele é e, se mais nenhuma mulher sofrer [às mãos] dele, vai valer a pena", afirma.

Contactados pela revista "People", os representantes de Marilyn Manson negam as acusações, garantindo que a relação do músico e da modelo durou apenas uma semana e não dois anos; à revista, Ashley Morgan Smithline mostrou mensagens que indicarão que os dois estiveram em contacto durante dois anos.