Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Ana Moura abandona editora, agência e as estruturas do passado. A história de uma “mudança radical”

Abandonou as estruturas em que amparava a sua carreira para encontrar um lugar além do fado. Em exclusivo, Ana Moura explica o que fará a seguir e porque decidiu mudar. “Quando temos sucesso querem à força engavetar-nos. Dizem-nos: ‘tu és isto’. E isso pode ser uma prisão”

Lança, no dia 30, uma canção nova. Intitulada ‘Andorinhas’, é a primeira amostra do álbum que sucederá a “Moura”, lançado no já longínquo ano de 2015. Esta canção marca igualmente o arranque de uma nova fase na sua carreira, marcada por um afastamento das principais estruturas com as quais tinha vindo a trabalhar até aqui, nomeadamente a editora Universal Music Portugal (UMP) e da agência de espetáculos Sons em Trânsito (SeT). Num texto de (re)apresentação a que o Expresso teve acesso em primeira mão, a cantora explica que sentiu necessidade de trilhar um caminho mais direto para o seu público, convidando-o a ser parte ativa da sua carreira e até “a deter parte dos direitos” decorrentes da sua atividade artística. “Posso fazê-lo agora”, avança Ana Moura, “porque há um novo mundo digital que o possibilita”.

Contactados pelo Expresso, tanto Vasco Sacramento como Ana Hernandez, responsáveis máximos pela SeT e UMP, respetivamente, recusaram responder a questões sobre a decisão de Ana Moura se desligar das empresas a que presidem. A empresa dirigida por Vasco Sacramento oficializou a desvinculação da artista com um vídeo publicado nas redes sociais, acompanhado por um texto em que confirma que “vai deixar de ser a agência de Ana Moura”. Esse vídeo, que lembra alguns relevantes momentos da carreira nacional e internacional da artista, ligada à SeT por 12 anos, sublinha os 16 discos de platina acumulados, incluindo o disco mais vendido da década, “Desfado”, 2 Prémios Amália, 3 Globos de Ouro ou, entre outros marcos, a Comenda da Ordem Infante D. Henrique com que a cantora foi condecorada em 2015.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.