Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Sérgio Godinho

Arlindo Camacho

Sérgio Godinho: “Desde que me conheço que o piano é, de longe, o meu instrumento favorito de ouvir. A minha mãe era pianista exímia”

No Dia Mundial do Piano, Sérgio Godinho recorda a importância do piano e dos pianistas - como Pedro Osório ou Bernardo Sassetti (“que saudades dele!”) - na sua vida e na sua música. E lembra a mãe, que era pianista: “Desde sempre que Chopin enchia as paredes da nossa sala. Ainda hoje, ao escutá-lo, pelas mãos da nossa Maria João Pires, me volta essa emoção”

No Dia Mundial do Piano, que hoje se assinala, Sérgio Godinho escreveu nas redes sociais um pequeno texto sobre a sua relação com este instrumento.

"Desde que me conheço que o piano é, de longe, o meu instrumento favorito de ouvir. A minha mãe era pianista exímia, e desde sempre que, por exemplo, Chopin enchia as paredes da nossa sala. Ainda hoje, ao escutá-lo, pelas mãos da nossa Maria João Pires, me volta essa emoção", recorda Sérgio Godinho.

Enumerando os pianistas "de exceção" que desde sempre o acompanharam, o autor de 'O Novo Normal' lembra "Pedro Osório, que toca o piano de 'O Primeiro Dia', João Lucas, Manuel Faria, Bernardo Sassetti (saudades dele!) e mais recentemente Filipe Raposo, com quem estreei um formato que nunca tinha praticado, o da voz e piano. E ainda antes Mário Laginha, numa ocasional ida a Berlim. Todos eles trouxeram uma cor e uma vibração especial às minhas canções, que teriam saído mais pobres sem eles. Por isso os amo, por isso sempre amarei o piano."