Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Moullinex

Rita Carmo

Moullinex: “Há uma vontade egoísta em ter a vacina. A pandemia é um teste à capacidade de lidarmos com problemas sérios”

“Não nos serve de nada o nosso país estar seguro enquanto houver focos de pandemia noutros pontos do planeta”. Luís Clara Gomes, que o país conhece melhor como Moullinex, acredita que só com um “esforço concertado de vacinação” o mundo se vai ver livre da pandemia de covid-19. Para ouvir no Posto Emissor

Moullinex, convidado da semana do podcast Posto Emissor, acredita que a pandemia de covid-19 funciona como "uma espécie de teste à nossa capacidade de lidar com problemas a sério que ainda possam vir" e defende que há uma visão "egoísta" da vacinação.

"Não vejo uma vontade global, vejo uma vontade quase egoísta de cada nação em ter a vacina", diz o músico, "enquanto houver focos de pandemia noutros pontos do planeta, o nosso país estar seguro não nos serve de nada. Só conseguimos erradicar algumas doenças no século XX graças a um esforço concertado de vacinação".

Ouça a partir dos 47m 29s.

Assinar o Posto Emissor no iTunes.

  • Posto Emissor #53. BLITZ convida Moullinex: das canções-neurose aos desafios da vida noturna

    Notícias

    Luís Clara Gomes, mais conhecido como Moullinex, é o convidado desta semana do Posto Emissor, o podcast semanal da BLITZ. Com o novo álbum, “Requiem for Empathy”, prestes a ver a luz do dia, o músico fala-nos sobre a falta que uma pista de dança lhe faz, a infância tímida em Viseu e como o engenheiro informático que tem em si vê os algoritmos que nos guiam na internet. Em destaque, o novo álbum de Lana Del Rey e as restrições que marcam o regresso da música ao vivo

  • Ao Vivo na Redação. Moullinex: “A empatia é um dos maiores capitais que temos como espécie”

    Notícias

    Luís Clara Gomes, mais conhecido como Moullinex, é o mais recente convidado do Posto Emissor, o podcast semanal da BLITZ. No momento em que se prepara para editar um novo álbum, “Requiem for Empathy”, o músico fala-nos sobre a importância da “capacidade de nos colocarmos no lugar dos outros” e da falta de clareza e “assertividade” do governo na hora de comunicar a reabertura das salas de espetáculos