Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Moullinex

Rita Carmo

Moullinex: “Só precisávamos de 5% da autoestima espanhola”

Habituado a levar a sua música aos quatro cantos do mundo, Luís Clara Gomes, conhecido artisticamente como Moullinex, defende que a mudança da imagem de Portugal no mundo deveria ajudar a melhorar a “tradicionalmente baixa” autoestima portuguesa. Para ouvir no Posto Emissor

Moullinex, convidado da semana do podcast Posto Emissor, defende que o crescimento do turismo em Portugal tem ajudado a mudar a forma como os estrangeiros olham para o país e, também, para os portugueses melhorarem a "tradicionalmente baixa" autoestima.

"Costumo dizer que só precisávamos de 5% da autoestima espanhola para estarmos melhor", defende o músico, habituado a levar a sua música aos quatro cantos do mundo.

Se, no início, as pessoas com quem se cruzava noutros países só conheciam Portugal por causa de Luís Figo, Cristiano Ronaldo ou José Mourinho, nos últimos anos a perceção tem mudado: "já há muita gente a conhecer a nossa identidade para lá do futebol".

Ouça a partir dos 43m 35s.

Assinar o Posto Emissor no iTunes.

  • Posto Emissor #53. BLITZ convida Moullinex: das canções-neurose aos desafios da vida noturna

    Notícias

    Luís Clara Gomes, mais conhecido como Moullinex, é o convidado desta semana do Posto Emissor, o podcast semanal da BLITZ. Com o novo álbum, “Requiem for Empathy”, prestes a ver a luz do dia, o músico fala-nos sobre a falta que uma pista de dança lhe faz, a infância tímida em Viseu e como o engenheiro informático que tem em si vê os algoritmos que nos guiam na internet. Em destaque, o novo álbum de Lana Del Rey e as restrições que marcam o regresso da música ao vivo

  • Ao Vivo na Redação. Moullinex: “A empatia é um dos maiores capitais que temos como espécie”

    Notícias

    Luís Clara Gomes, mais conhecido como Moullinex, é o mais recente convidado do Posto Emissor, o podcast semanal da BLITZ. No momento em que se prepara para editar um novo álbum, “Requiem for Empathy”, o músico fala-nos sobre a importância da “capacidade de nos colocarmos no lugar dos outros” e da falta de clareza e “assertividade” do governo na hora de comunicar a reabertura das salas de espetáculos