Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Tatanka, dos Black Mamba

Rita Carmo

Tatanka (The Black Mamba): “É-me mais difícil escrever em inglês do que em português. Em inglês, sei que pessoas de outros países vão ouvir”

“Não falo inglês todos os dias, não andei no colégio americano. Para escrever uma letra em inglês tenho uma dificuldade muito maior do que para escrever em português”, explica o vencedor do Festival da Canção no podcast Posto Emissor, reagindo às questões levantadas em torno da língua da canção 'Love Is On My Side'. Para Tatanka, a 'separação das águas' é clara: a solo “é mais Jorge Palma”, em Black Mamba “é mais Rolling Stones”

Vencedor do Festival da Canção à frente dos Black Mamba, Tatanka é o convidado da mais recente edição do Posto Emissor, o podcast na BLITZ.

À conversa com Luís Guerra, o músico que levará 'Love Is on My Side' à Eurovisão, em maio, nos Países Baixos, reage às críticas que tem recebido por representar Portugal com uma canção integralmente escrita em inglês.

“Tens que ter cuidado em qualquer língua. Quando canto em inglês, sei que pessoas de outros países estão a ouvir. Ao contrário do que as pessoas acreditam, para mim é mais difícil escrever em inglês do que em português porque não andei no colégio americano, não vivi nos Estados Unidos. Para escrever uma letra em inglês tenho uma dificuldade muito maior do que para escrever em português. [A solo], o meu universo é mais Ary dos Santos e Jorge Palma. Black Mamba é mais Rolling Stones e James Brown, em que a lírica não é o principal”, justifica.

Ouça a resposta completa a partir dos 17 minutos e 5 segundos: