Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Winston Marshall, dos Mumford & Sons

Ethan Miller/Getty Images

Polémica nos Mumford & Sons. O homem do banjo é apoiante da extrema-direita

Os Mumford & Sons foram arrastados para uma polémica pelo tocador de banjo, que veio a público apoiar uma personalidade de extrema-direita

Os Munford & Sons foram arrastados para uma nova polémica depois de um dos elementos da banda, o tocador de banjo Winston Marshall, ter apoiado publicamente o jornalista conservador norte-americano Andy Ngo, associado à extrema-direita. Os fãs não demoraram a responder coisas como "que treta, mais uma banda decente que tenho de apagar da memória".

Este fim-de-semana, no Twitter, o músico apelidou Ngo de "homem corajoso" e elogiou-o por ter escrito um livro "importante" sobre o "plano radical para destruir a democracia" do movimento anti-fascista Antifa. O jornalista, e personalidade das redes sociais, é associado a grupos de extrema-direita como os Proud Boys ou Patrior Prayer.

Esta não é a primeira vez que os Mumford & Sons se veem envolvidos em polémica pelas suas supostas opiniões políticas. Em 2018, dois outros elementos, o teclista Ben Lovett e o baixista Ted Dwane, foram fotografados com Jordan Peterson, psicólogo que se tornou ídolo da extrema-direita pelas suas visões pouco ortodoxas sobre o privilégio branco, identidade de género e feminismo.