Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Hellfest

LUDOVIC MARIN/Getty Images

Cancelado o Hellfest, um dos maiores festivais de metal da Europa. Tinha System of a Down, Deftones e Faith No More

“Esperámos pelo melhor, mas o pior está para vir”. A longa e amarga mensagem da organização do festival francês de metal Hellfest aos fãs. Da edição deste ano faziam parte Deftones, Faith No More e System of a Down, todos com concertos marcados também em festivais portugueses

A edição de 2021 do festival francês de metal Hellfest, um dos maiores da Europa, foi cancelada. A informação foi avançada pela organização do evento num comunicado publicado nas redes sociais e no site oficial, na qual se lê: "hellbangers, esperámos pelo melhor mas o pior está para vir".

O Hellfest ia realizar-se nos dias 18, 19 e 20 de junho e do cartaz faziam parte os Deftones, os Faith No More e os System of a Down, todos com concertos marcados também em festivais portugueses - respetivamente, no North Music Festival, NOS Alive e VOA.

"As incertezas sobre a situação de saúde pública e as últimas regras do governo forçaram-nos a cancelar a edição de 2021", escreve a organização no comunicado divulgado, "obrigado pelo vosso apoio nas últimas semanas. Tanto a opinião pública como os media foram alertados sobre a situação crítica da nossa indústria (como de tantas outras)".

Depois de reuniões entre promotores de festivais e o ministério da Cultura francês, "o veredito" traduziu-se da seguinte forma: "os festivais de verão vão ser permitidos mas em condições drásticas: 5 mil pessoas sentadas, com distanciamento social. Estas regras tornam impossível a organização do nosso festival em 2021 e obrigam-nos a adiar novamente a nossa edição de [15º] aniversário".

"Não queremos culpar o governo", lê-se ainda no comunicado, "estamos cientes de que a situação de saúde nos obriga a todos a sermos cuidadosos. Contudo, estas medidas são mais ou menos as mesmas do ano passado, que resultaram num verão morto para os festivais e para a cultura em geral. Um ano passou desde o início da pandemia e parece que pouco foi feito no sentido de um regresso à 'vida normal', apesar de haver um maior conhecimento da doença, vacinas, testes... Pedimos respostas, obtivemo-las".

Mostrando-se insatisfeita com as restrições, que "vão contra a experiência rock'n'roll que queremos oferecer a quem vai ao nosso festival", a organização diz que "um festival deve ser um lugar de liberdade, onde as interações sociais e o espírito de celebração não podem ser sacrificados" e que organizar o evento com distanciamento e lotação reduzida iria "contra o DNA do festival".