Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Britney Spears viveu o pesadelo americano onde todos viam um sonho. Já vimos o documentário que esta noite se estreia em Portugal

De princesa da pop a estrela caída em desgraça, Britney Spears conheceu a glória e o seu oposto. A batalha judicial contra o pai é o pretexto de “Framing Britney Spears”, documentário que levanta outras questões. Uma produção “The New York Times” com estreia marcada para esta segunda-feira no canal Odisseia, e que o Expresso já viu

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Para quem duvida da utilidade de movimentos como o #MeToo, criticando os eventuais excessos da tendência que tem denunciado situações de violência sexual contra mulheres, “Framing Britney Spears” é um documentário oportuno, para não dizer obrigatório. Não que a cantora, nascida no Bible Belt americano, alguma vez tenha referido ter sido vítima de assédio. Aliás, se há algo que ressalta nesta produção do “New York Times” é o silêncio: para contar a história de uma das maiores estrelas pop dos últimos 20 anos, falam jornalistas e antigos agentes, amigos de longa data e advogados envolvidos na batalha que a opõe ao pai. Nem Britney nem a sua família quiseram participar no documentário, que é assim falho de vozes mais próximas de uma saga com tanto de brilhante – a menina do lugarejo que apanha o comboio para perseguir o seu sonho em Nova Iorque – como de obscuro.

Artigo Exclusivo para assinantes. No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

JÁ É ASSINANTE? Faça login e continue a ler

COMPROU O EXPRESSO? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler