Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Willie Nelson

RICK KERN/Getty Images

Fumou mais do que Snoop Dogg e foi processado por uma maratona de sexo. O incrível Willie Nelson, aos 87 anos

O histórico da música country, Willie Nelson, fez uma retrospectiva dos momentos mais inacreditáveis que viveu ao longo dos seus 87 anos. “Tem tido uma vida bastante boa”

Willie Nelson, um dos maiores ídolos vivos da música country, deu uma longa entrevista ao site Daily Beast, durante a qual falou sobre os momentos mais inacreditáveis (e polémicos) da sua vida. "Tem sido uma vida bastante boa", confessou o músico de 87 anos, que se prepara para editar o seu 71º álbum, intitulado "That's Life".

Não se esquivando às perguntas, Nelson falou sem pruridos sobre o facto de ter fumado mais erva do que Snoop Dogg numa viagem que fizeram a Amesterdão, de uma maratona de 9 horas de sexo que descambou num processo em tribunal e do facto de ser cinturão negro de uma arte marcial coreana.

Recordando que começou a fumar quando era miúdo, na pequena cidade onde cresceu, no estado do Texas, revelou: "fumei de tudo o que havia. Quando era miúdo, fumei folhas de videira, fumei folhas de algodão, tabaco de enrolar. Fumava tudo o que ardia. Depois comecei a beber. Só muito depois entrei na marijuana".

Sobre a viagem à Holanda com Snoop Dogg, Nelson explica: "liguei ao Snoop e disse-lhe 'olá amigo, tens de vir ca ter. É aqui que há da boa!'. Ele foi ter comigo e entrámos em todos os bares onde se pode fumar, em Amesterdão. Divertimo-nos muito". Questionado sobre se alguém já conseguiu fumar mais do que ele, responde: "não sei, mas provavelmente há pessoas que conseguem fumar mais do que eu".

Sobre a história de uma mulher que o processou, e exigiu 50 milhões de dólares de indemnização, alegando que Nelson prometera casar-se com ela depois de uma sessão de 9 horas de sexo, que teria terminado com um salto mortal, deixa uma declaração enigmática: "é uma história demasiado boa para eu negar!".

Numa entrevista à Rolling Stone, em 1991, o músico já tinha dito: "não estou a dizer que não aconteceu. Pode ter acontecido, mas acho que me recordaria, pelo menos, das primeiras quatro ou cinco horas".