Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Marilyn Manson

Jeffrey Mayer/Getty Images

Há mais uma mulher a acusar Marilyn Manson. “Apontou-me uma arma à testa”

A estilista e artista Love Bailey recorda episódio violento com Marilyn Manson, que também envolve a atriz Paz de la Huerta, e acusa-o de ter apontado uma arma à sua cabeça

Depois das acusações de abusos por parte da atriz Evan Rachel Wood, e de várias outras mulheres, a Marilyn Manson, a artista e estilista Love Bailey recordou um episódio violento que viveu com o músico. "Apontou-me uma arma à testa", revelou Bailey em entrevista ao site Daily Beast.

A situação remonta a 2011 e passou-se na mansão de Manson, onde decorrera uma sessão de fotos com o músico e a atriz Paz de la Huerta. Bailey diz que quando entrou na sala onde os dois artistas estavam encontrou de la Huerta a cambalear, o que a levou a crer que se encontrava drogada.

"Tive de rastejar sobre lençóis manchados para chegar perto dela e quando o fiz, ele apontou-me uma grande [pistola] Glock à testa", revela, "lembro-me de pensar 'oh meu deus, vou morrer?'. Senti-me indefesa e chocada. Estava num estado em que só me perguntava 'ele não é demasiado famoso para me matar?'. Ali estava eu, uma stylist de 20 anos a tentar fazer o meu trabalho e, de repente, tinha uma Glock apontada a mim".

Depois de Manson puxar o gatilho, sem que nada acontecesse, Bailey diz ter ouvido o músico a rir-se e a dizer "não gosto de pane***ros", referindo-se, aparentemente, ao facto de a estilista ser uma mulher transgénero. "Penso que foi uma forma de me assustar para que eu não falasse sobre o assunto", acrescenta, dizendo que se foi imediatamente embora.

Na sequência das acusações de Evan Rachel Wood, Manson poderá vir a ser investigado pelo FBI. Bailey diz que já reportou o incidente à senadora Susan Rubio, da Califórnia, a mulher que exigiu que os alegados crimes do músico fossem investigados. A editora dos discos de Manson, Loma Vista, já veio anunciar o fim do contrato e o músico já reagiu às alegações, dizendo que são "distorções da realidade".