Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie (1986-2021). Em 2019, ela apontava uma bazuca ao coração do Porto. E o amor explodia

A artista escocesa, falecida inesperadamente este sábado aos 34 anos, passou pelo Parque da Cidade do Porto em 2019 para uma atuação inesquecível e a roçar a perfeição no festival NOS Primavera Sound. Recorde a reportagem e veja as fotos

Publicado originalmente a 8 de junho de 2019

Quando a enigmática Sophie subiu ao palco do NOS Primavera Sound, envolta num manto de nevoeiro e luzes roxas, não sabíamos bem o que esperar da sua atuação. DJ set? Live act? Nada disso... A produtora escocesa transformou o festival portuense na sua pista de dança privada e assinou uma atuação que esbarra em qualquer pré-conceito, desfazendo-o em pedaços. Pegando em canções do brilhante álbum de estreia, "Oil of Every Pearl's Un-Insides", editado no ano passado, a artista desconstruiu e rearranjou-as como se de organismos vivos se tratassem.

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
1 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
2 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
3 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
4 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
5 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
6 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
7 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
8 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

Sophie no NOS Primavera Sound 2019
9 / 9

Sophie no NOS Primavera Sound 2019

Rita Carmo

'Take Me to Dubai' nasce entre ritmos cortantes e bojudos, a ameaça de 'Voices', tema que gravou com o australiano Flume para a recente mixtape "Hi This is Flume", e sintetizadores industriais que crescem até atingirem proporções mastodônticas. E, então, abranda o ritmo até embater numa visão aquosa e estendida de 'Is It Cold in the Water?' e seguir em constante tensão, enredada em batidas esparsas, até um 'Whole New World / Pretend World' banhado a vermelho sangue. Já com a pulsação bem acelerada, segue transformando os seus momentos mais pop, como um gigante 'Ponyboy' ou o plástico 'Faceshopping', a seu bel prazer.

Já sabíamos que Sophie era o futuro presente, mas perceber como, ao vivo, em tempo real, transgride a natureza imutável e cristalizada de uma peça musical gravada, criando novas e encantatórias releituras para algo que roça a perfeição no seu estado mais puro, não só é admirável como a transforma uma das vozes mais urgentes de uma arte que necessita da constante reinvenção para se manter viva. Nós, por cá, coroamo-la a rainha do segundo dia de festival.