Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Jon Bon Jovi

Steve Jennings/Getty Images

Jon Bon Jovi abre o coração em entrevista ao “Guardian”. A pop que tinha dentro do armário e a mágoa com Richie Sambora

O líder dos Bon Jovi falou sobre Donald Trump, a falta de comunicação com o ex-colega de banda Richie Sambora e de como queria ser pop como Bryan Adams

Jon Bon Jovi, líder dos norte-americanos Bon Jovi, deu uma entrevista reveladora ao jornal britânico The Guardian. Entre outros assuntos, o músico falou sobre Donald Trump, o início do percurso da sua banda e a relação inexistente com o guitarrista Richie Sambora.

Questionado sobre se mantém contacto com o ex-colega de banda, Bon Jovi respondeu: "não. A escolha de abandonar a banda foi dele, mas fiquei de coração partido porque adorava tê-lo connosco. Não havia era qualquer hipótese no mundo de acabarmos com a banda por causa da sua incapacidade de continuar".

Recuando até ao início dos Bon Jovi, o músico revela que os planos que tinha passavam por "fazer uma digressão com os Cars, o Bryan Adams e todos aqueles grupos pop", mas o manager demoveu-o. "Disse-me 'não, vão aprender a tocar como os Judas Priest, os Kiss e os Scorpions. O público deles é leal, o público da pop é instável'".

E foi assim que a banda se viu em digressão com os Judas Priest, "uma banda de heavy metal que eu nunca tinha ouvido".

Questionado sobre se algum dia deixaria Donald Trump usar a sua música em comícios ou campanha, Bon Jovi respondeu rapidamente: "Não! Não não não! Não há um único assunto em que não estejamos profundamente em desacordo, da forma como ele lidou com a crise da covid à imigração e ao acordo de Paris - tudo! Não! Não!".

O músico recordou depois que, em 2014, tentou comprar a equipa de futebol americano Buffalo Bills, que Trump também estava a tentar comprar, e que não conseguiu porque foi lançada uma campanha baseada em mentiras contra si. Correu o rumor de que o músico queria tirar a equipa da cidade onde estava instalada.

A tal campanha, que levou a que não conseguisse comprar a equipa, foi orquestrada pelo estratega político Michael Caputo, contratado por Trump. "Fiquei chocado quando soube que ele se tinha dado a todo aquele trabalho", diz, "ele nem sequer podia comprar a equipa, porque tinha de submeter as suas declarações fiscais e nunca o fez".