Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Mão Morta no programa “Fisga”, da RTP, em 1987

RTP

Recordar é viver. Os Mão Morta virulentos em 1987 num programa juvenil que a RTP cancelou

Chamava-se “Fisga” e foi um fugaz programa juvenil da RTP, abruptamente cancelado depois de uma interpretação do Hino Nacional que deu brado. A 7 de novembro de 1987, os Mão Morta, ainda com a formação original, não deixavam pedra sobre pedra no Cinema Europa, em Lisboa. Uma preciosidade abrasiva e pouco vista. E imperdível

7 de novembro de 1987. A música moderna portuguesa mais disruptiva chegava à televisão, em "Fisga". Os bracarenses Mão Morta, nos primeiros anos de percurso, levaram ao Cinema Europa, em Lisboa, uma performance abrasiva de 'E Se Depois' e 'Sitiados', canções que viriam a fazer parte do homónimo álbum de estreia de 1988. A formação era a original: Adolfo Luxúria Canibal Miguel Pedro Carlos Fortes Zé Dos Eclipses Joaquim Pinto.

O programa chamava-se "Fisga", era apresentado por Jorge Roque e Manuela Cunha, e seria cancelado pouco depois, em virtude da polémica causada pela interpretação em estilo rock do Hino Nacional por João Grosso. O ator foi acusado do crime de ultraje aos símbolos nacionais, tendo sido e absolvido desse mesmo crime cinco anos depois.

"Fisga" esteve no ar entre outubro e dezembro de 1987, e por lá passaram vários nomes da geração alternativa da segunda metade dos anos 80 em Portugal, como Anamar, Mler Ife Dada e os Mão Morta. Nos arquivos digitais da RTP é descrito como "programa recreativo dedicado aos jovens, com espaços de reportagem, entrevistas, atuações musicais, e a participação do ator João Grosso".

Pode ver aqui na íntegra, e com qualidade de imagem superior, o programa em que atuaram os Mão Morta