Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Manel Cruz foi o convidado surpresa de Bruno Nogueira e acabou interrompido pelo vizinho, que se queixou da cantoria

Um momento pitoresco de mais uma emissão emocionante de Bruno Nogueira e amigos, protagonizado pela voz dos Ornatos Violeta (e a campainha do seu vizinho). Um “Como É que o Bicho Mexe?” que contou ainda com um depoimento forte do médico Gustavo Carona e uma atuação de Filipe Melo e Juan Canvia

Manel Cruz foi o convidado surpresa da edição de ontem, 19 de janeiro, de Como é que o Bicho Mexe, de Bruno Nogueira.

Confessando a sua admiração pelo músico do Porto, Bruno Nogueira pediu-lhe que tocasse uma canção para as mais de 100 mil pessoas que assistiram ao live stream.

Manel Cruz confessou que, no início do primeiro confinamento, fez uma canção sobre esta fase ser "alguma coisa de diferente, um acordar", mas acabou por partilhar um tema já bem conhecido do seu público - 'O Navio Dela' -, por lhe terem dito que o inédito era demasiado "pesado" para as circunstâncias atuais.

O músico de Ornatos Violeta, Pluto ou Foge Foge Bandido acabou por ser interrompido pela campainha enquanto tocava. "É o vizinho", explicou entre risos. "Não posso começar a tocar que ele toca logo".

Veja a atuação de Manel Cruz por volta dos 26 minutos.

Após a canção de Manel Cruz, participaram n' O Bicho Filipe Melo e o argentino Juan Cavia, com quem o músico criou o elogiado livro de banda desenhada "Balada para Sophie". Os amigos tocaram "Amapola".

No início da emissão, Bruno Nogueira recebeu o médico Gustavo Carona, que falou sobre a situação que se vive nos hospitais portugueses, devido à pandemia de covid-19.

"É importante que as paredes dos hospitais sejam mais transparentes", defendeu Gustavo Carona. "Se isto fosse um vulcão em erupção, ninguém fazia perguntas. Se fossem corpos estilhaçados por bombas, também ninguém tinha dúvidas. Mas esta doença é muito silenciosa, irónica, dificil de compreender".

O médico lembrou ainda que, apesar de muitos dos infetados terem sintomas ligeiros, o facto de 20% dos doentes precisarem de internamento já é suficiente para entupir os serviços de saúde, causar perda de vidas e impossibilitar o atendimento de doentes com outras patologias. "A covid não mata só velhinhos", alertou Gustavo Carona, frisando que Portugal está perante "uma catástrofe nunca dantes vista".

Com o episódio de ontem, foram angariados 10 mil euros para a Liga Portuguesa Contra o Cancro.