Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Gisela João

Rita Carmo

Gisela João: “Covid, medo, fascismo. Para qualquer lado que olhe, [enfrento] uma parede muito alta que me tem sufocado”

Um desabafo de Gisela João nas redes sociais, confessando que se sente dividida entre a vontade de participar em ações que distraiam as pessoas e a noção de que a situação é “muito séria para tentar andar a distrai-las”

Gisela João partilhou um desabafo nas redes sociais, refletindo sobre a forma como tem lidado com a pandemia de covid-19 e tudo o que lhe está associado.

"Tenho andando num misto de vergonha, impotência e inutilidade, sempre meio perdida sem saber o que fazer ou não fazer. Meio em missão não vou a lado nenhum, quero ir à televisão para fazer companhia às pessoas, sempre com receio que os louros venham para mim. Há uns 4/5 dias que não consigo fazer nada", confessa a fadista, acrescentando que até sente "medo das redes sociais, meio perdida, sempre entre 'devo fazer coisas para distrair as pessoas' e o 'não tenho coragem, tenho vergonha, isto é muito sério para andar a tentar distrair as pessoas'".

"É o covid, é o medo, é o fascismo, para qualquer lado que olhe parece que estou de frente com uma parede muito alta que me tem sufocado", escreve Gisela João, contando que ficou "em lágrimas" com o testemunho do médico Gustavo Carona no Como é que o Bicho Mexe de ontem.

Gisela João partilhou ainda 'Transtorno', uma canção que escreveu com André Tentugal e Samuel Úria, em março de 2020, e pede a todos os seus seguidores que "fiquem em casa, sejam responsáveis e [assumam] a responsabilidade".