Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Getty Images

Os anos 90 foram a idade do ouro do rock and roll? “Na altura não percebíamos”, diz Billy Corgan dos Smashing Pumpkins

À conversa com Kevin Parker, dos Tame Impala, o vocalista dos Smashing Pumpkins recorda com saudades o rock dos anos 90: “Depois de o ‘Nevermind’ [dos Nirvana] ter rebentado, de repente o mundo abria-se a bandas esquisitas. Ainda não tínhamos consumido muitas drogas, tínhamos a nossa sanidade mental. Mas depois isso acabou-se”

Kevin Parker (Tame Impala) e Billy Corgan (Smashing Pumpkins) estiveram à conversa para uma nova secção da revista Rolling Stone, "Musicians on Musicians", onde dois músicos se entrevistam um a outro.

O músico australiano admitiu que "Siamese Dream", álbum clássico dos Smashing Pumpkins, o inspirou a começar a escrever canções. E referiu-se aos anos 90 como "a era dourada do rock n' roll".

"Quando comecei a fazer música, tudo o que eu queria era estar dentro dessa cena romântica, grungy. É uma fantasia que guardo na cabeça", disse.

Corgan, que viveu bem de perto essa década, admitiu que essa não era a perceção dos artistas e dos fãs. "Na altura não percebíamos", contou. Um álbum veio, no entanto, mudar tudo isso.

"Depois de o ‘Nevermind’ [dos Nirvana] ter rebentado, de repente o mundo abria-se a bandas esquisitas. Ainda não tínhamos consumido muitas drogas, tínhamos a nossa sanidade mental. Mas depois isso acabou-se".

Os dois músicos falaram ainda do estado atual do rock n' roll. Para Kevin Parker, "sinto que a melhor coisa na música, hoje em dia, é não haver regras".

"Acho que é uma das poucas coisas boas na música de hoje em dia. Não temos muitas outras coisas às quais nos agarrarmos, para além disso. As coisas são menos lineares, no sentido em que dantes havia música mainstream e música alternativa".

Corgan, por seu turno, deixou rasgados elogios ao hip-hop: "em termos de estilo, é o que está mais próximo do rock n' roll", explicou. "Infelizmente, ainda não existiu uma evolução na forma de o tocar, tornar a guitarra tão valiosa quanto o sintetizador ou algo assim".