Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Stephen Carpenter à direita

Getty Images

Músico dos Deftones sob polémica depois de defender que o planeta é plano e o uso da máscara é o culpado da pandemia de covid-19

Não surpreendentemente, o guitarrista Stephen Carpenter também se manifesta contra as vacinas. As suas teorias anti-científicas foram difundidas num podcast

O guitarrista Stephen Carpenter, dos Deftones, foi um dos últimos convidados do podcast "Tin Foil Hat with Sam Tripoli", onde afirmou a sua crença em várias - e falsas - teorias da conspiração.

Para além de acreditar que a Terra é plana, Carpenter disse também ser anti-vacinação, e encontra no uso da máscara o culpado para a pandemia da Covid-19.

"A minha perspetiva no que concerne a uma Terra plana é simples: eu sei que não estamos a girar numa bola do espaço voadora", contou. "Aquilo que de facto é, ainda está por descobrir. E há pessoas a trabalhar nesse sentido".

Quanto às vacinas, o músico garante "nunca ter existido uma única que funcionasse", e descreveu-as como "venenos". "Não as podes expelir do teu corpo. Estão em ti para todo o sempre. E tu sofres com o que elas provocam".

Confrontado com a existência de uma vacina para a poliomielite, que praticamente eliminou a doença, Carpenter afirmou simplesmente que "a polio nunca foi erradicada" e disse-se "agradecido pela Covid-19".

A pandemia, continuou, "ensinou-me a verdadeira teoria dos germes. O vírus é algo que o corpo cria. Não é possível apanhar um vírus de alguém. O teu corpo cria os vírus porque tens uma toxina venenosa dentro de ti", explicou, ignorando séculos de estudos científicos.

"Os germofóbicos acreditam genuinamente que há um vírus mortal por aí. Mas os outros usam a máscara em part-time, sabem que é inútil. É como um circo. Não quero desrespeitar os que adoeceram e até os que morreram do que morreram. Mas não quero ligá-lo a isto".

O guitarrista continuou, acrescentando: "É triste que as pessoas tenham desistido. Quando [a pandemia] começou, era coisa para durar duas semanas. Obrigado aos que usam máscara por fazer disto algo permanente, bom trabalho", disse, apesar de estudos indicarem que a máscara e o distanciamento físico diminuem o risco de contágio.

Estas afirmações têm sido recebidas com incredulidade pela generalidade dos fãs da banda norte-americana, que este ano lançou o álbum "Ohms".