Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Mike Patton

Mike Patton (Faith No More): “Não sou cientista, mas dar um concerto agora não é boa ideia”

“Um ajuntamento público, que é o que um concerto é, não é boa ideia agora. O que devemos fazer é esperar que [a ciência] nos diga quando é possível voltar”, defende o vocalista dos Faith No More

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Mike Patton falou, em entrevista ao site Consequence of Sound, sobre a forma como tem lidado com a pandemia.

"Tivemos muita sorte por ainda conseguirmos dar aqueles concertos de Mr. Bungle no final de fevereiro. Com a pandemia, tive de cancelar um ano de concertos. Tinha agendados concertos com os Faith No More e ia fazer muitas coisas diferentes em diferentes continentes", revela.

Porém, o vocalista dos Faith No More olhou para o confinamento como "uma oportunidade. Gosto de estar em casa e nem sequer sou um tipo sociável. Então pensei: 'vou ficar em casa e fazer música'. Sem stress. Os três primeiros meses foram impecáveis. Trabalhava todos os dias e cheguei a trabalhar em três ou quatro discos diferentes. Para mim, nem foi muito diferente do habitual. Mas ao fim de uns três meses, fiquei: 'Já estou farto disto. Vá lá, quero ir a um restaurante'. E então tornou-se mais difícil".

Mike Patton acredita que o fim da pandemia não está para breve.

"Não há fim à vista para isto, não demos ouvidos a Trump. Por isso, é assim que vamos viver por enquanto. Tenho é de perceber como me hei de adaptar e tentar não me fechar e isolar. Não posso fazer isso".

Quanto ao regresso dos concertos, o norte-americano responde: "Não sou cientista, amigo. [Mas] não vou fazer nada enquanto não for seguro. Não só para nós, mas para toda a gente. Um ajuntamento público, que é o que um concerto é, não é boa ideia agora. O que devemos fazer é esperar que [a ciência] nos diga quando é possível voltar. Muitas pessoas não percebem isto. Mas nós não vamos tocar enquanto não for seguro, isso é certo".

Os Faith No More estavam agendados para o NOS Alive, este ano, e voltaram a confirmar a sua presença na edição do próximo ano do festival de Algés.