Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Getty Images

Mike Shinoda, dos Linkin Park: “Antes de o nu metal aparecer, o metal era demasiado branco”

Mike Shinoda explica por que razão não se identificava com o metal que foi sendo feito até certa altura

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Mike Shinoda, dos Linkin Park, partilhou, em entrevista à Metal Hammer, a sua opinião sobre os méritos do nu metal.

A propósito das comemorações dos 20 anos do disco de estreia dos Linkin Park, “Hybrid Theory”, o músico recorda: “Naquela altura, se perguntasses a alguém o que é que andavam a ouvir, diriam... rock. Ou hip-hop. Ou jazz. Só cinco anos mais tarde é que começaram a dizer: 'tudo'. O 'Hybrid Theory' foi um dos responsáveis por essa mudança. Ajudou a quebrar fronteiras entre estilos musicais”.

“Eu ouvia sobretudo música rap. Depois olhava para muitas bandas rock e pensava: 'São demasiado brancas'. Isso afastava-me do hair metal, sobretudo. Era música muito branca e eu cresci numa cidade muito diversa, por isso aquilo não me atraía, não me dizia nada. E não tinha só a ver com raça. Não me refiro à cor da pele, mas à cultura. Quando o nu metal começou, era muito diverso”.

“Houve uma altura em que o termo nu metal tinha um signiicado muito cool. Lembro-me quando saiu o primeiro disco dos Korn, ou quando saíram os primeiros discos dos Deftones. E, independentemente do que pensarem sobre um grupo como os Limp Bizkit, o seu primeiro álbum era muito cru”, defende o vocalista e fundador dos Linkin Park.

Sobre a reedição comemorativa de “Hybrid Theory”, pode ler aqui o relato da conferência de imprensa na qual a BLITZ participou recentemente.