Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Fernando Ribeiro, dos Moonspell

Rita Carmo

Fernando Ribeiro (Moonspell): “O meu sofá é para mim e para a minha família. Não é o lugar onde os fãs me querem ver a tocar piano”

“Não tenho nada contra as bandas que fazem 'lives' em casa, mas prefiro assistir desenhos animados com o meu filho”. Palavras do vocalista dos Moonspell

Fernando Ribeiro, dos Moonspell, falou sobre a possibilidade de fazer atuações a partir de casa, nas redes sociais, durante a pandemia de covid-19, defendendo: “O meu sofá é para mim e para a minha família. Não é o lugar onde os fãs me querem ver a tocar piano ou guitarra”. Questionado sobre a hipótese de fazer "lives" caseiros, numa entrevista ao site belga Metal'Art, o músico assumiu não se sentir muito tentado pela ideia.

"Não tenho nada contra aqueles que o fazem, mas sinto que alguns se precipitaram e acharam que as pessoas não podem viver sem eles", continuou Ribeiro, "no entanto, podem. As pessoas só não podem viver sem comida e água. Sem música, a vida é menos interessante, mas podemos sobreviver".

Depois de questionarem os fãs sobre a vontade que teriam de verem um "live" da banda, os Moonspell querem "desenvolver coisas para manter essa ligação com os nossos fãs". "Faremos esse streaming, a pagar, porque mesmo que eu o fizesse sentado no meu sofá ainda tinha de pagar renda", explica Fernando Ribeiro, acrescentando que vão ressuscitar o clube de fãs Wolfpack, disponibilizando "material exclusivo", entre outras surpresas.

"Esta situação covid-19 não é agradável, mas permite-nos refletir sobre muita coisa e sobre todas essas coisas que acabei de falar", explica ainda o músico, "espero que venha aí uma versão melhor dos Moonspell. É isso que realmente queremos".

Recorde-se que os Moonspell reeditaram recentemente o álbum "The Butterfly Effect", de 1999, em CD, vinil e cassete, e regressaram aos palcos este mês para aquele que foi o primeiro concerto de 2020, no âmbito das Noites F, em Faro.