Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Santos & Pecadores

Santos & Pecadores afastam-se de Olavo Bilac e movem processo contra o cantor por “delapidação de património”

Os músicos dos Santos e Pecadores demarcam-se “de qualquer atitude ou posição tomada unilateralmente pelo sr. Olavo Bilac”, em alusão à atuação do vocalista num jantar-comício do Chega

Os Santos & Pecadores demarcaram-se de Olavo Bilac, seu vocalista.

Em comunicado citado pela Lusa, por "nos últimos dias terem surgido nos órgãos de comunicação social e nas redes sociais diversas notícias que põem em causa o bom nome dos Santos & Pecadores", o grupo reage à atuação de Bilac num jantar-comício do Chega, em Leiria, na passada sexta-feira. Lembrando que não realiza espetáculos desde 2014, afirma que moveu um processo judicial contra o músico.

Os músicos Pedro Cunha, Pedro Almeida, Pascoal Simões e Rui Martins fazem saber que o processo judicial foi interposto "por usurpação, abuso e delapidação do património da banda, assim como o incumprimento do contrato" que os liga a Olavo Bilac, segundo o qual, afirmas, o vocalista está impedido "de utilizar e tocar ao vivo qualquer obra do grupo em situações a solo, o que tem feito durante vários anos contra a vontade da banda". Esta situação tem, segundo se pode ler no comunicado, impedido a banda "de retomar a sua normal atividade".

No Facebook, o baterista Pedro Cunha escreveu: "Chegou a hora de revelar a verdade escondida. Uma amizade tão forte que nos fez esperar durante um longo período no intuito que tudo se resolvesse a bem, em família. Infelizmente não resultou e terá de ser resolvida de outra forma...".

Nos últimos dias, Olavo Bilac - que fez parte, entre outros, dos Santos & Pecadores, Resistência e Zeca Sempre - foi criticado nas redes sociais por ter atuado no jantar-comício do Chega. Na segunda-feira, o cantor partilhou nas redes sociais que devia “uma explicação a toda a gente”, assumindo que errou ao encarar a sua participação no evento "como mais uma atuação e mais uma selfie". Sublinhou também que não apoia o partido e o seu envolvimento foi meramente profissional.