Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Neil Young quis ajustar contas com o passado. Este é o disco que lhe fugiu

Acaba de editar “Homegrown”, gravado em 1974/75, um dos vários e míticos 'lost albums' que os seus arquivos contêm. “Gravei-o, passou por mim, alguma coisa me distraiu”, contou

No início de junho, Neil Young publicou no seu site, Neil Young Archives, uma versão recente de ‘Southern Man’ (“I saw cotton and I saw black, tall white mansions and little shacks, southern man, when will you pay them back? I heard screamin' and bullwhips cracking, how long? how long?”), originalmente do álbum de 1970, “After the Gold Rush”. E acompanhava-a com uma mensagem que, sem nomear explicitamente George Floyd, era assaz explícita: “Aqui estou eu, um velho, a cantar uma canção com 50 anos, escrita após incontáveis anos de racismo nos EUA. E olhem para nós, hoje! Estas coisas acontecem há tempo de mais. Já não se trata apenas do ‘homem do Sul’. Acontece por todos os Estados Unidos. Chegou a altura de haver mudanças autênticas, novas leis e novas regras para a polícia.”

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.