Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Roberta Medina

Rodrigo Esper/I Hate Flash

Roberta Medina: “A concorrência entre festivais é saudável, faz parte do jogo. Se os que criticam os outros vão mudar? Sei lá”

A vice-presidente do Rock in Rio acredita que o contexto da pandemia de covid-19 ampliou o diálogo entre as grandes promotoras de festivais portugueses, mas a concorrência continua forte

Roberta Medina acredita que a pandemia de covid-19 e consequente proibição de festivais de verão em 2020 fez com que os promotores dos festivais de música portuguesa criassem uma relação mais estreita, apesar de dizer que a concorrência continuará a ser o que sempre foi, porque é "saudável". O diálogo estreitou-se com a entrada em ação da APEFE, Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos, que junta a grande maioria dos promotores portugueses.

“Uma coisa que está acontecer e é muito boa, sem dúvida, é o maior contacto", começa por dizer a vice-presidente do Rock in Rio, "a primeira vantagem é a APEFE ganhar musculatura e força. Não pode ser ferramenta de ninguém, tem de ser ferramenta do setor. O facto de ela ganhar mais sócios é super importante e contribui para que as comunicações sejam feitas enquanto setor. É muito importante e, sem dúvida nenhuma, neste caso a pandemia veio ajudar-nos a consolidar a importância de haver esse alinhamento".

Essa maior convergência, contudo, não interfere na "concorrência que há entre promotoras": "seremos sempre concorrentes no que diz respeito àqueles artistas que mais de um festival possam querer. Mas é saudável. Faz parte do jogo. Agora, se aqueles que eventualmente façam crítica uns dos outros vão mudar... sei lá! Não faço a menor ideia. Acima de tudo, o que interessa é a APEFE ficar mais forte. Isso significa que há mais diálogo. E, nesse aspeto, as coisas melhoraram, sim”.

O Rock in Rio-Lisboa foi adiado para 2021 devido à pandemia de covid-19. O festival anunciou uma emissão especial de três horas a ser transmitida em direto no próximo dia 27 de junho, a partir das 17h, na SIC Radical, na rádio e nas plataformas digitais do festival. O evento especial, intitulado "Se a vida começasse agora", assinala o momento em que a edição cancelada de 2020 estaria a decorrer e dá início à contagem decrescente para o regresso em 2021.

Além de revisitar alguns dos concertos mais marcantes dos 16 anos do festival, a emissão conduzida por Ana Ventura, João Paulo Sousa e Rita Camarneiro promete mostrar "cenas insólitas e histórias de bastidores" e contar com convidados especiais, entrevistas e atuações de artistas nacionais que já passaram pelos palcos do Parque da Bela Vista.

O evento marcará deixará também algumas pistas para a nona edição do festival, que decorre nos dias 19, 20, 26 e 27 de junho, com "conteúdos especiais" e jogos que podem render "vários prémios". Recorde-se que estão já confirmadas as atuações dos Foo Fighters, The National e Liam Gallagher no dia 19 de junho do próximo ano.