Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Getty Images

Contra a "máquina", marchar. Música dos Rage Against the Machine atinge pico de popularidade em tempo de revolta

Só nas plataformas de streaming, os discos dos norte-americanos registaram um aumento de procura na ordem dos 62%

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

A música dos Rage Against the Machine registou um forte aumento de popularidade nas últimas semanas, período em que, nos Estados Unidos e não só, se têm verificado numerosas manifestações contra o racismo.

Na semana passada, o primeiro disco da banda de Tom Morello, de 1992, reapareceu no top norte-americano de vendas, tendo os seus outros álbuns ascendido ao top 30 da Apple Music.

A tendência tem-se mantido desde então, com 11 milhões de escutas nos serviços de streaming, ao longo da última semana, dois milhões e 400 mil dos quais de um só tema: 'Killing in the Name', que em 2020 se tornou assim a terceira canção mais popular da tabela digital dedicada ao hard rock. 'Bulls on Parade', outra canção dos Rage Against the Machine, foi ouvida quase um milhão e meio de vezes na passada semana.

A mensagem política dos Rage Against the Machine não é, porém, evidente para todos os fãs, e as conversas em que Tom Morello se tem envolvido no Twitter acerca desse tema acabaram por contribuir para uma maior notoriedade da banda que este ano deveria ter regressado à estrada. As datas foram adiadas para 2021 e terão primeira parte dos Run the Jewels.