Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Ilya S. Savenok/Getty Images

"Pensava que era só uma das relações piores e mais amargas que já tinha tido". Phoebe Bridgers abre o jogo sobre Ryan Adams

No ano passado, Phoebe Bridgers foi uma das mulheres que acusaram Ryan Adams de comportamento abusivo. Em entrevista à BLITZ, a norte-americana fala sobre o que motivou a denúncia e o que se seguiu

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Phoebe Bridgers, que na próxima sexta-feira lança o seu segundo álbum, "Punisher", deu uma entrevista à BLITZ/Expresso, na qual fala sobre as novas canções e outros temas, como a sua participação num artigo do New York Times que, em 2019, serviu de denúncia do comportamento emocionalmente abusivo do músico Ryan Adams.

Phoebe Bridgers e Ryan Adams trabalharam juntos no primeiro EP da cantora-compositora e tiveram uma breve relação amorosa, que inspirou a canção 'Motion Sickness', incluída no álbum de estreia da californiana, "Stranger In The Alps".

No ano passado, Phoebe Bridgers juntou-se a Mandy Moore, atriz e cantora que foi casada com Ryan Adams, e a outras mulheres para, numa investigação do New York Times, denunciar o que considera ser "um padrão" de comportamento do autor de "Heartbreaker".

À BLITZ, a norte-americana diz que não fica "espantada" por o movimento #MeToo ainda não se ter generalizado na música como no cinema.

"Não estou espantada que ainda não se tenha alastrado. É mais isolado. Tal como em Hollywood, pelo mesmo trabalho as pessoas recebem quantias completamente diferentes. Eu falo com as outras pessoas sobre a forma como gerem as bandas, e uns dizem que os managers devem ganhar tanto e fazer aquilo, outros nunca tiveram um manager... Toda a gente está a inventar a melhor forma de fazer as coisas. É muito insular".

"Se calhar, quando nos calha um produtor esquisito, achamos que só nos aconteceu a nós", concretiza."E foi isso que me aconteceu a mim. Não fazia ideia. Pensei que [a relação com o Ryan Adams] era apenas uma das relações piores e mais amargas que já tinha tido. Só mais tarde pensei: 'oh meu Deus, isto também aconteceu a esta pessoa e àquela e àquela'. É um padrão".

"Essa é uma grande razão [para não haver mais denúncias]. Outra é que as pessoas protegem os autores de abusos a 1000%, por todo o tipo de razão. Ouvimos boatos sobre as pessoas mas não queremos ser nós a denunciá-las. Mas o New York Times confirmou os factos e enviaram [ao Ryan Adams] o artigo antes de o publicar... Não dá para fazer isso se só tiveres ouvido o boato da boca do amigo de um amigo de um amigo. Não podes ser tu a apurar os factos. Essa será outra das razões".

Phoebe Bridgers garante, porém, que o artigo foi "mais bem recebido do que imaginava", dando-lhe a possibilidade de conhecer várias pessoas com experiências semelhantes.

"Punisher", o segundo álbum de Phoebe Bridgers, sai a 19 de junho.