Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Teatro São Luiz, Lisboa

Rita Carmo

Governo vai compensar artistas com espetáculos cancelados

Haverá apoios para artistas que viram os seus espetáculos cancelados por entidades públicas. Legislação abre porta a que exista programação cultural no verão, sobretudo gratuita

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Os artistas que tinham espetáculos marcados e que os viram ser cancelados ou reagendados devido à pandemia de covid-19 terão direito a pagamento integral, determina uma lei referendada ontem pelo primeiro-ministro, António Costa.

Em causa estarão os artistas que haviam sido contratados para espetáculos com entidades públicas, noticia a SIC.

"Fica assegurado desde já o pagamento integral aos artistas em caso de cancelamento ou reagendamento dos espetáculos provocado pela pandemia, com um pagamento não inferior a 50%, a pagar até à data em que o espetáculo estava agendado", pode ler-se numa nota enviada pelo Governo às redações.

No mesmo documento, volta a referir-se que "é possível a realização de festivais e espetáculos de natureza análoga ao vivo, em recintos cobertos ou ao ar livre, com lugar marcado e desde que respeitadas as regras definidas pela Direção- Geral de Saúde".

Estas alterações visam "clarificar a possibilidade de realização de espetáculos tão importantes para os portugueses e para a comunidade cultural no verão" e "garantir um apoio financeiro, pelas entidades públicas, aos artistas que já tenham sido contratados".

Ontem, em Coimbra, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, afirmou que "a maior parte da programação cultural deste ano não terá preço", ou seja, deverá ser entrada livre, pretendendo o Governo garantir, acima de tudo, que os eventos tenham lugar.

Na semana passada, o Ministério da Cultura divulgou um conjunto de novas regras para a realização de espetáculos a partir de 1 de junho, com distanciamento entre espectadores, uso de máscaras e outras medidas que pode consultar aqui.

Esta semana, o Presidente da República promulgou a proibição de festivais de verão até 30 de setembro, com algumas exceções.

Ontem, foi anunciado um grande espetáculo para 1 de junho: Deixem o Pimba em Paz, o projeto de Bruno Nogueira e Manuela Azevedo, no Campo Pequeno, em Lisboa.