Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Black Francis, dos Pixies, em junho de 1991

Getty Images

Nem música, nem pintura. Na quarentena, Black Francis dos Pixies dedica-se a criar galinhas

"Não sou do tipo suicida nem vou tornar-me ladrão"

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Black Francis, vocalista dos Pixies, partilhou com a Rolling Stone como tem ocupado o seu tempo durante a pandemia de covid-19.

"Não tenho tido interesse em tocar ou pintar, nem em fazer nada de criativo. Estou certo que chegará o dia em que voltarei a querer fazer essas coisas. De momento, estou a achar muito interessante aprender a construir coisas", diz o norte-americano.

"Arranjei uma capoeira e umas galinhas. Comecei a tratar do meu quintal e a plantar milho e feijão. Acho que devo a mim mesmo aprender a ser autossuficiente", revela. "Perguntei a mim mesmo: 'e se desligassem a eletricidade amanhã, o que faria eu?'. Não sou do tipo suicida, não vou tornar-me ladrão. Há pessoas que têm galinhas e depois fazem omeletes".

Quanto à música que gosta de ouvir em tempos adversos, Black Francis escolhe Bob Dylan, mas também Chopin, Debussy, bandas-sonoras de filmes de Alfred Hitchcock, algum jazz e rock dos anos 60. "Por alguma razão, tenho andado a ouvir muito o 'Let It Bleed', dos Rolling Stones", acrescenta.

Os Pixies eram uma das bandas confirmadas no cartaz do Vodafone Paredes de Coura, que foi adiado para agosto de 2021.