Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

40 anos da morte de Ian Curtis dos Joy Division. Peter Hook ficou “zangado” com o amigo e companheiro de banda

A opinião do baixista Peter Hook, que admite ter ficado zangado quando o vocalista da sua banda se suicidou, em 1980. Depois veio o sentimento de culpa

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

No dia em que se assinala o 40º aniversário da morte de Ian Curtis, Peter Hook vai partilhar em streaming um concerto em que tocou todas as canções dos Joy Division com a sua banda, The Light. O espetáculo aconteceu em 2015, numa igreja em Macclesfield, onde Ian Curtis cantava no coro quando era criança.

O ex-companheiro de banda de Ian Curtis confessou também, em entrevista ao Yahoo Entertainment, que ficou "zangado" quando o amigo se suicidou.

"Fiquei mesmo chateado quando ele morreu. Mas à medida que fui envelhecendo, percebi que o mais importante não foi o fim dos Joy Division. O mais importante é que uma filha perdeu o seu pai. Pais perderam o seu filho. Uma mulher perdeu o marido. Uma amante perdeu o amante. Isso é que é importante. Porque grupos há muito, daqui a um minuto já apareceu outro".

Peter Hook confessa ainda que sentiu alguma culpa quando Ian Curtis se suicidou.

"O suicídio de um amigo próximo ou de um familiar faz sempre com que nos sintamos culpados".

Ian Curtis morreu a 18 de maio de 1980, aos 23 anos.