Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Aula Magna, Lisboa

Rita Carmo

Mais de dois terços dos espetáculos cancelados em Portugal devido à covid-19 são concertos

Resultado de um inquérito levado a cabo pela GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas revela que quase 70% dos espetáculos cancelados em Portugal desde o início da pandemia foram de música. E são feitas as contas aos profissionais que ficaram sem rendimentos por cada espetáculo que não aconteceu

Dois terços dos espetáculos cancelados em território português devido à pandemia de Covid-19 foram concertos, revela um inquérito levado a cabo, desde março, pela GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas, entidade que gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, atores e bailarinos em Portugal. Foram, ao todo, 2964 concertos, o que representa 69% do total.

Com base nas respostas de perto de mil artistas, é também divulgado que "por cada espetáculo cancelado ficaram sem rendimento, em média, 18 artistas, 1,3 profissionais de produção e 2,5 técnicos". Para lá dos concertos, foram canceladas 1048 récitas de teatro (24%), 100 espetáculos de dança (2%) e 175 espetáculos de outra natureza (4%).

67% dos artistas que responderam ao inquérito são músicos, 23% atores, 4% bailarinos e 6% outros profissionais do espetáculo. Esta informação, segundo o comunicado enviado à imprensa, já foi comunicada e discutida com o Ministério da Cultura, o Presidente da República, bem como com alguns partidos com assento parlamentar e o presidente da Associação Nacional de Municípios.

"São dados muito relevantes dos setores da dança, do teatro e da música, apesar de admitirmos que estejam um pouco circunscritos, uma vez que 90% das respostas foram dadas por cooperadores da própria GDA", diz Luís Sampaio, vice-presidente da entidade.

Para que o retrato da situação em Portugal fique mais completo, com cruzamento de dados, a informação recolhida foi disponibilizada ao Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE) e à Associação dos Músicos de Portugal (AMP), grupo informal criado no contexto da pandemia no qual estão inscritos mais de quatro mil artistas.