Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Álvaro Covões

Tiago Miranda

Álvaro Covões: “Não podemos ficar sentados a dizer ‘ninguém nos ajuda e vamos morrer’. Vamos todos a jogo”

O diretor da Everything is New, promotora do NOS Alive e de concertos adiados dos Guns N' Roses, Nick Cave ou Harry Styles, fala do “regresso aos palcos” nos próximos tempos

As promotoras de espetáculos já estão a trabalhar na reabertura do setor, programada, pelo governo, para 1 de junho, e Álvaro Covões, diretor da Everything is New - empresa responsável não só pela organização do NOS Alive (adiado para 2021) como dos concertos adiados dos Guns N' Roses, Nick Cave ou Harry Styles - falou à BLITZ sobre este "pontapé de saída no regresso aos palcos".

"Não podemos ficar sentados a dizer ‘ai, agora ninguém nos ajuda e vamos morrer’. Não! Se vamos trabalhar com limitações, então vamos todos a jogo. Quem quiser vir a jogo vem a jogo, com as limitações que existirem", exclama Covões sobre as imposições das autoridades de saúde para o regresso à atividade do setor da cultura.

Tendo em conta que as salas de espetáculos e auditórios com lugares marcados, fechadas há dois meses devido à pandemia de Covid-19, deverão reabrir respeitando medidas de distanciamento físico e lotação reduzida, diz que está a "aguardar a definição final, que penso que deverá vir para a semana" para avançar com as suas propostas.

"Estamos a preparar, a Everything is New em conjunto com várias empresas, o pontapé de saída no regresso aos palcos”, acrescenta. Quando questionado sobre o facto de a lotação reduzida dificultar a rentabilidade dos espetáculos e poder levar a um aumento exponencial no preço dos bilhetes, responde: "há uma expressão muito conhecida que é: a necessidade aguça o engenho. O que temos de fazer é engenharia financeira".

Salientando que "o mais importante para nós é a dignidade dos profissionais do setor de poderem trabalhar e ganhar alguma coisa para, no fim do dia, poderem levar comida para casa", Covões admite que a situação "não é sustentável a médio prazo, mas no início é como diz o outro: mais vale ganhar 20 euros do que não ganhar nada".

"O objetivo é criar emprego, criar sustentabilidade e dizer ao país que se pode ir aos espetáculos em segurança. Essa é a nossa grande estratégia: que as pessoas não tenham medo e possam ir aos espetáculos em segurança", conclui, sublinhando que a APEFE, Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos, vai "apresentar ao governo um manual de boas práticas, como todas as associações de vários setores estão a fazer, para que possamos garantir segurança aos espectadores e a quem trabalha. E precisamos de trabalhar, que é o mais importante”.

Apesar de já ter sido obrigada a adiar o NOS Alive devido à proibição de festivais de verão ontem anunciada pelo governo e uma série de grandes concertos, da agenda de junho da Everything is New constam ainda atuações de Bill Callahan na Aula Magna em Lisboa e Simple Minds no Coliseu do Porto e no Campo Pequeno, em Lisboa. Em julho e agosto, a promotora tem agendados concertos de Aerosmith, Kiss, Lenny Kravitz e Slipknot para a Altice Arena, espetáculos que ainda esperam reagendamento.