Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Susie Cave, Nick Cave e o seu filho, Earl Cave, em 2019

David Crotty

"Para nós, a dor tornou-se um modo de vida". Nick Cave dá conselhos a pais que também perderam os filhos

No seu site, Nick Cave continua a abrir o coração e a consolar os fãs com palavras

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Nick Cave respondeu, no seu site, a duas fãs que perderam recentemente os filhos.

Sobre a forma como tem lidado com a morte de um dos seus filhos, Arthur, Nick Cave desvenda: "Ao longo dos últimos anos, a Susie e eu temos aprendido muito sobre a natureza da mágoa. Descobrimos que não é algo que se atravesse, uma vez que não existe o outro lado da mágoa. Para nós, tornou-se uma forma de vida".

"Rendemo-nos a algo que não podíamos controlar, mas que recusámos que nos derrotasse. A dor tornou-se simultaneamente um ato de submissão e de resistência - um local de extrema vulnerabilidade onde, ao longo do tempo, fomos desenvolvendo um sentido desenvolvido da fragilidade da vida. A certa altura, esta perceção trouxe-nos de volta ao mundo, tranformados".

"Descobrimos que a mágoa era muito mais que apenas desespero. Descobrimos que continha muitas coisas - felicidade, empatia, um sentido de comunidade, tristeza, fúria, alegria, perdão, combatividade, gratidão, espanto e até uma certa paz. Para nós, tornou-se uma atitude, um sistema de crença, uma doutrina - uma forma consciente de vivermos na nossa vulnerabilidade, protegidos e enriquecidos pela ausência daquele que amávamos e perdemos".

"Ao fim e ao cabo, a mágoa é tudo. É lavar a louça, ver Netflix, ler um livro, falar com amigos no Zoom, estar sentado sozinho ou mudar a mobília de sítio. A mágoa são todas as coisas imaginadas através das constantes feridas do mundo. Mostrou-nos que não tivemos controlo sobre o que aconteceu e passámos a ver essa impotência como uma certa liberdade espiritual".

"A mágoa da Susie tornou-se parte da sua química. Move-se pela sua corrente sanguínea como uma força", termina, dizendo que a mulher se mantém forte "na sua impotência e no seu constante fascínio pelo mundo".

"A Susie pede-me que vos diga que ficou muito triste ao saber das vossas perdas, e ao olhar pare ela posso apenas dizer-vos que, com o tempo, encontrarão um caminho, não para sair da mágoa, mas para viverem com ela".