Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Seguindo a tendência europeia, Irlanda cancela festivais até setembro

Festivais como o Longitude têm vários nomes grandes em comum com os festivais portugueses

Os grandes festivais de verão previstos para a República da Irlanda no próximo verão não irão realizar-se, uma vez que o Govero proibiu eventos com mais de cinco mil pessoas até ao final de agosto.

Esta decisão inviabiliza a realização de festivais como Longitude, All Together Now ou Sunstroke, que se estrearia este ano.

Em comunicado, o Primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, fez saber que não serão atribuídas licenças a eventos que reúnam mais de cinco mil pessoas, até ao final de agosto.

Os representantes de vários destes festivais já se mostraram "desolados" com a decisão, afirmando porém que a saúde e a segurança dos festivaleiros é a sua grande prioridade.

No festival Longitude iriam atuar Kendrick Lamar (anunciado para o NOS Alive), Tyler, the Creator (um dos nomes do NOS Primavera Sound) ou Young Thug (no cartaz do Rolling Loud).

Do cartaz do All Together Now constavam Iggy Pop, um dos nomes grandes do EDP Vilar de Mouros, ou King Gizzard & The Lizard Wizard, que fazem parte da programação do Super Bock Super Rock.

Noutros países europeus, há restrições semelhantes até 1 de setembro (na Holanda), até ao final de agosto (Alemanha, Bélgica e Dinamarca) e até ao final de julho (Luxemburgo e Finlândia). Em França, só poderá haver grandes eventos a partir de meados de julho e na Áustria a partir do início desse mês.

Em Portugal, boa parte dos festivais continua marcada. O Rock in Rio Lisboa não se irá realizar este ano, tal como o North Music Festival, o FMM Sines e o Boom, mas NOS Alive, Super Bock Super Rock, Vodafone Paredes de Coura e EDP Vilar de Mouros, entre outros, continuam marcados para as datas inicialmente previstas (o NOS Primavera Sound foi adiado para setembro).

O Expresso falou com os maiores promotores e agentes portugueses a este respeito.