Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

A história do primeiro 'affair' de Freddie Mercury

Trabalhava na indústria discográfica, teve uma relação com a estrela dos Queen no final dos anos 70 e morreu em 2007

Mary Austin foi o grande amor da vida de Freddie Mercury, mas outros houve na vida do músico. David Minns, executivo da Elektra Records, foi um deles.

Diz a história que os dois se conheceram numa festa organizada por Mercury, onde uma troca de olhares evoluiu para uma relação, conforme contada por Minns na biografia deste, "This Was the Real Life".

"Conheci-o melhor em 1975. O Freddie era conhecido, mas não era famoso", escreveu o executivo, falecido em 2007. "Depois da 'Bohemian Rhapsody', vi-o transformar-se numa celebridade, cumprir as suas ambições".

"Ele próprio disse, num vídeo, que não sabia cozinhar e que seria uma dona de casa inútil, pelo que decidiu que o seu trabalho seria ser uma estrela".

Durante uma digressão norte-americana dos Queen, Freddie e Minns aproximaram-se, dando início a um caso amoroso quando o músico ainda namorava Mary Austin - ao regressar a Inglaterra, Freddie confessar-lhe-ia ser bissexual.

Com o fim do namoro com Austin, Freddie convidou Minns para morar em sua casa, e em breve o casal se tornou inseparável. Ou, pelo menos, até 1977, quando o músico se envolveu com o seu cozinheiro pessoal, Joe Fanelli.

A relação de Minns com Freddie só veio a público em 1998, ano em que o primeiro editou a biografia - e que admitiu que o músico o deixou "de coração partido".