Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Getty Images

Axl Rose arrasa senador republicano que disse que ninguém pode impedir um cristão de ir à igreja durante a quarentena

As palavras fortes do vocalista dos Guns N' Roses

Axl Rose arrasou o senador Rand Paul, do Partido Republicano dos Estados Unidos, por este se ter oposto às medidas do seu estado, o Kentucky, no que diz respeito à concentração de pessoas em locais de culto durante o período de isolamento.

O senador, que esteve infetado com o novo coronavírus, criticou o governador Andy Beshear após este ter anunciado planos para registar todas as matrículas dos veículos que se aglomerassem junto de igrejas, no domingo de Páscoa. "Colocar alguém de quarentena na Páscoa, por ser cristão? Alguém precisa de se acalmar", escreveu, no Twitter.

Declarações que mereceram resposta quase imediata do vocalista dos Guns N' Roses, nessa mesma rede social: "Como de costume, o Rand Paul precisa de se pôr a andar".

A resposta de Rose surge depois de ter partilhado vários artigos noticiosos que explicam como o novo coronavírus pode ser perigoso para o corpo humano e pedindo aos fãs para que fiquem em casa.

Recorde-se que os Guns deveriam iniciar uma digressão europeia a 20 de maio, no Passeio Marítimo de Algés, em Portugal, que se deveria prolongar até ao dia 27 de junho, com um espetáculo na República da Irlanda.

Porém, tendo em conta o impacto da pandemia, e à luz do previsível lento regresso à normalidade no continente europeu, parece altamente improvável que a mesma venha a ter lugar nas datas respectivas, não havendo contudo ainda qualquer informação relativa a adiamento da mesma.

Eventos que decorrem posteriormente, como é o caso de festivais, já foram cancelados ou adiados - e os Guns N' Roses já se viram forçados a adiar para novembro e dezembro concertos na América do Sul, pelos mesmos motivos.

Esta semana, também Duff McKagan, baixista da banda, abordou a pandemia do novo coronavírus, mostrando-se preocupado com os membros da 'entourage' da banda. "A minha maior preocupação, para já, é manter empregadas as pessoas que trabalham comigo. Temos 80 pessoas na equipa que estão aterrorizadas, neste momento", afirmou.