Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Perfume Genius

Camille Vivier

Perfume Genius em isolamento: “É difícil relaxar... Mas tenho a sorte de ter o meu namorado e a nossa cadela Wanda comigo”

“Não consigo concentrar-me em nada”. O norte-americano Perfume Genius falou com a BLITZ sobre a experiência de estar em isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus

Mike Hadreas, que o mundo conhece como Perfume Genius, falou esta semana com a BLITZ sobre o seu vindouro álbum, "Set My Heart on Fire Immediately", e a experiência de estar em isolamento social em casa, na Califórnia, devido à pandemia de Covid-19. "Acordo, leio as notícias, fico em casa, tento trabalhar, falo com a minha mãe e os meus amigos, mas é difícil concentrar-me no que quer que seja", começa por dizer o músico.

"É difícil relaxar, é difícil trabalhar. Há uma coisa tão pesada a toldar-nos que acaba por afetar tudo", acrescenta, antes de dizer que felizmente não está sozinho. "Estou com o meu namorado, o Alan, portanto podemos fazer companhia um ao outro. Sinto-me muito sortudo por isso. E a Wanda, a minha cadela, também. Estamos todos aqui juntos e isso traz-me muito calor e conforto".

Apesar de tudo isso, o artista diz que sente aquele "desejo de libertação". "É algo que às vezes nem requer estar com outras pessoas mas simplesmente requer espaço. Um espaço aberto. Quero apenas rodopiar, rolar e correr, coisas desse género. E isso é uma coisa nova para mim. Se me fizesses esta pergunta há um anos, dizia-te que queria ficar em casa sem ninguém a chatear-me. Queria ficar sozinho por muito tempo. É muito estranho, agora, que tudo aquilo que desejo é estar lá fora quando aquilo que me é pedido é que fique em casa".

Hadreas acredita que esta situação dramática - recorde-se que os Estados Unidos são o país com mais pessoas infetadas com o novo coronavírus - pode, no entanto, levar a algumas mudanças no sistema de saúde do seu país e nas mentalidades dos seus compatriotas. "Na América, a hipótese de podermos ir ao médico se estivermos doentes ainda gera discussão, apesar de não ser uma ideia revolucionária. Pode ser que isso mude agora".