Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Getty Images

A resposta de Nick Cave à 'coronacrise' é “criar”. “Esse impulso salvou-me tantas e tantas vezes”

Os planos do 'Dr. Nick': compor um álbum sobre isolamento, escrever o guião para um filme apocalíptico, fazer um programa de culinária. E não fica por aqui. Leia o seu último texto

Nick Cave voltou a utilizar o website Red Hand Files para responder às perguntas dos fãs, desta feita dando ideias sobre como passar o tempo em época de distanciamento social.

Começando por escrever que a sua resposta a uma crise é "criar, sempre", o músico australiano revelou ter trocado algumas ideias com a sua equipa sobre o que fazer nos próximos tempos.

"A minha mente fervilhou com ideias sobre como ocupar o tempo livre. Transmitir um concerto a solo a partir de casa, compor um álbum sobre isolamento, escrever um diário online sobre o coronavírus, escrever um guião para um filme apocalíptico, criar uma playlist sobre a pandemia...", contou.

No entanto, Cave depressa acrescentou todas as coisas que fez ao longo dos últimos três meses - trabalhar na exposição sobre si em Copenhaga, preparar a digressão em torno de "Ghosteen", planear um álbum com lados B e raridades - e deixou uma pergunta no ar: "porque é que é esta a altura de se ser criativo?".

"Tornámo-nos testemunhas de uma catástrofe que vemos a desenrolar-se de dentro para fora. Somos obrigados a isolarmo-nos, a ser vigilantes, a estar quietos, a ver e contemplar uma possível implosão da nossa civilização em tempo real", continuou.

"Enquanto artista, soa estranho perder este momento extraordinário. Escrever um romance, um guião ou uma série de canções parecem complacências de tempos passados. Para mim, esta não é uma época para se estar enterrado em criação".

"É tempo de nos sentarmos e aproveitarmos esta oportunidade para ponderar qual é exatamente a nossa função - para que servimos nós, artistas", rematou, dando ainda o mote para "o trabalho mais criativo de todos": "ver o mundo com outros olhos, e uma maior reverência pela coisa maravilhosa que é". Leia aqui o texto completo.