Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Boom Festival

Nuno Botelho/Expresso

Não há Boom Festival em 2020. “Um vírus revirou a sociedade que apregoava super-humanos, viagens turísticas à lua e transumanismo”

Festival de Idanha-a-Nova anunciou adiamento da sua edição de 2020. "A narrativa do super-humano acabou", vaticina a organização. Leia o comunicado.

O Boom Festival, festival bianual de música eletrónica em Idanha-a-Nova, anunciou no site oficial o adiamento para 2021. O evento decorrerá, assim, entre os dias 22 e 29 de julho do próximo ano, com os bilhetes deste ano a serem vários para 2021. A justificação deste adiamento prende-se com a pandemia do novo coronavírus.

"Um vírus revirou a sociedade que apregoava super-humanos, viagens turísticas à lua e transumanismo", pode ler-se no comunicado partilhado no site oficial do festival, "a natureza, com toda a sua magnanimidade, tem uma ironia desarmante neste Antropoceno".

A organização reafirma que o festival "visa o desenvolvimento humano" com "uma experiência de pertença, de contacto próximo, de amor e paz" e que "o presente momento não [lhes] permite alcançar esses propósitos de vida do Boom".

"A situação Covid-19 continua a degradar-se. É irrealista achar que se a pandemia passar até julho os efeitos psicológicos irão desaparecer subtilmente", lê-se ainda. Depois de apontar as "limitações que a pandemia impôs à produção e logística" do festival, a organização assume que o adiamento "é uma escolha que nos abala" mas "a decisão sensata" para "salvaguardar a saúde pública".

O festival não esconde que esta decisão o coloca numa situação difícil: "toda a produção está afetada. Somos um festival que depende dos bilhetes para sobreviver e tem sido esse apoio que financia tudo até agora desde o começo de 2019. Neste momento trabalham 100 pessoas para o festival. Em maio seriam cerca de 200, em Junho 300 de mais de 35 nacionalidades e os números não iriam parar de subir".

"É o imprevisto, o não sabermos lidar com um fenómeno num mundo que julgávamos estar domado pelo saber e por algoritmos. A narrativa do super-humano acabou", vaticina o comunicado, "infelizmente, este ano de 2020 não é momento para festival (...) é de reflexão, de nos regenerarmos e, principalmente, cooperarmos". Leia o texto completo seguindo este link.