Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Concerto de Manel Cruz no Porto adiado para outubro

Não serão permitidos reembolsos dos bilhetes já comprados

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

O concerto de Manel Cruz no Teatro Sá da Bandeira, no Porto, marcado para 2 de abril, foi adiado para 29 de outubro, devido ao surto de Covid-19.

Em comunicado de imprensa, escreve-se que os bilhetes comprados para 2 de abril são válidos para a nova data, sem necessidade de troca.

Porém, não será possível pedir o reembolso dos bilhetes já comprados, à luz do determinado pela Inspeção-Geral de Atividades Culturais (IGAC).

No comunicado de imprensa que dá conta do adiamento do concerto, reproduz-se a determinação da IGAC, que a BLITZ noticiara ontem:

"Atendendo ao surto do novo Coronavírus (COVID-19), declarado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como uma pandemia internacional, que tem vindo a disseminar-se rápida e globalmente, também em território português, foi declarado o estado de emergência nacional. Assim, foram aplicadas medidas extraordinárias e de carácter urgente de restrição de direitos e liberdades, em especial no que respeita aos direitos de circulação e às liberdades económicas, em articulação com as autoridades europeias, com vista a evitar a transmissão do vírus.

Neste contexto, inúmeros espectáculos e eventos não podem de momento ocorrer ou ser confirmados, por motivo de força maior, pelo que importa definir quais as regras excepcionais de cancelamento ou reagendamento dos mesmos, bem como acautelar os direitos dos cidadãos adquirentes de bilhetes e ingressos. Face às condições especiais e excepcionais que o país atravessa, o anúncio da data dos eventuais reagendamentos de espectáculos ou o cancelamento definitivo dos mesmos, pode ocorrer após o levantamento do estado de emergência, pelo que no âmbito das competências da Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) recomenda-se, consequentemente, que a decisão de devolução ou não dos bilhetes já adquiridos fique deferida para momento posterior ao levantamento do estado de emergência, sem prejuízo de legislação que possa vir a ser aprovada neste âmbito.

A IGAC está a trabalhar com o Ministério da Cultura para encontrar soluções equitativas para a resolução destas situações
."