Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Getty Images

#FestivalsStandUnited: festivais europeus juntam-se para lutar pela sobrevivência

Uma carta aberta assinada por alguns dos maiores festivais da Europa, de Roskilde ao Primavera Sound, em resposta à crise gerada pelo Covid-19

Alguns dos maiores festivais da Europa escreveram uma carta conjunta declarando que contam levar a efeito as edições deste ano dos seus eventos porque, ao fazê-lo, farão "uma parte crucial da sobrevivência desta indústria". A maior parte dos festivais tem lugar em países que, neste momento, se encontram em quarentena devido ao Covid-19.

Os signatários são Roskilde (Dinamarca), Primavera Sound (Espanha; note-se que tem também uma edição no Porto de 11 a 13 de junho), Rock en Seine (França), Bilbao BBK Life (Espanha), Bergenfest (Noruega), Exit Festival (Sérvia), Melt (Alemanha), Northside (Dinamarca), bem como a associação Yourope (que tem como membros o Montreux Jazz Festival, na Suíça, o alemão Rock Im Park, ou o holandês Lowlands, entre outros).

"É uma questão de assumir responsabilidade pelos eventos - e assumir a responsabilidade pela indústria da qual fazemos parte", pode ler-se num texto que expressa confiança que a situação de pandemia seja revertida até ao início da temporada festivaleira de verão.

Sublinhando que terão em conta os especialistas médicos e a observação das determinações das autoridades locais, afirmam estar em dívida em relação aos pequenos empresários e freelancers da indústria do entretenimento ao vivo, os mais afetados por esta crise. "Nós, enquanto grandes festivais, somos o elo final da cadeia de alimentação onde os protagonistas mais pequenos, os artistas, as salas, a produção de luz e som, estão a sofrer.

A temporada festivaleira na Europa está mergulhada em incerteza: depois do cancelamento do inglês Glastonbury, pairam dúvidas sobre a realização dos primeiros festivais, como o espanhol Primavera Sound, base do congénere português NOS Primavera Sound. Nos Estados Unidos, Coachella e Bonnaroo foram adiados para o último quartel do ano.

Veja, nos artigos relacionados, depoimentos de Álvaro Covões (NOS Alive), Paulo Ventura (EDP Vilar de Mouros), José Barreiro (NOS Primavera Sound), João Carvalho (Vodafone Paredes de Coura) e Luís Montez (MEO Sudoeste e Super Bock Super Rock).