Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Murais

Ana Viotti

Hélio Morais, dos Linda Martini e PAUS: “Os meus rendimentos advêm em 90 por cento dos concertos. Reajo com preocupação ao coronavírus”

O impacto do Covid-19 na atividade dos músicos é algo que preocupa Hélio Morais, dos Linda Martini e PAUS e também agente de bandas como Capitão Fausto. “O nosso meio é muito desprotegido”

Hélio Morais, cofundador dos Linda Martini e PAUS, diz estar preocupado com o impacto que o Covid-19 está a ter na sua atividade quer enquanto músico quer enquanto agente de outros artistas. "Estou a reagir com preocupação. Os meus rendimentos, seja como agente no HAUS seja como músico, advêm para aí em 90% dos espetáculos, portanto tendo em conta que eles estão a ser cancelados...", começa por dizer em declarações à BLITZ.

O músico, que prepara agora a sua estreia a solo com o projeto Murais, diz já ter espetáculos cancelados até ao final de abril. "Não está fácil. O que eu fiz foi pegar nas coisas, trouxe os teclados para casa e estou a trabalhar aqui. Na parte do agenciamento, sempre fiz isso um bocado e pronto... uma pessoa faz mais música, se calhar".

Além de ter sido cancelado o concerto de estreia de Murais, que deveria realizar-se no MIL - Lisbon International Music Network, cuja edição de 2020 foi totalmente anulada, bem como o concerto que daria com os PAUS no festival Sons de Vez, Morais viu ainda o espetáculo dos Capitão Fausto na FIAPE de Estremoz ser cancelado: "e isso era no final de abril, portanto já começou a chegar a essa altura".

"Preocupa-me porque o nosso meio é um meio muito desprotegido", conclui, "mas se pensarmos nos restaurantes, nas lojas, vai dar tudo um bocadinho ao mesmo. É um mal que nos vai afetar a todos. Mesmo as pessoas que se calhar acham que estão muito seguras porque têm contrato de trabalho se calhar estão a esquecer-se que muitas empresas, de uma forma ou de outra, dependem de eventos, sejam eles espetáculos, conferências, congressos, o que seja, e que se eles não existem os postos de trabalho depois, provavelmente, deixam de ser necessários. Portanto acho que ninguém está seguro".