Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Capitão Fausto

Capitão Fausto hoje em Lisboa, com orquestra. “É o concerto mais ambicioso que já fizemos, uma espécie de baile com bom gosto”

Uma banda, um maestro, 48 músicos. Este sábado, os Capitão Fausto sobem ao palco do Campo Pequeno, em Lisboa, para um concerto especial com a Orquestra Filarmonia das Beiras. Falámos com a banda e com o maestro Martim Sousa Tavares sobre um espetáculo entre “a Hollywood dos anos 40” e “visões wagnerianas”

Os Capitão Fausto sobem este sábado ao palco do Campo Pequeno, em Lisboa, para um concerto na companhia da Orquestra Filarmonia das Beiras, com arranjos e direção artística a cargo do maestro Martim Sousa Tavares. A música da banda de Lisboa será interpretada por 48 músicos de cordas, sopros e percussão de diversas nacionalidades.

Em declarações à BLITZ, Martim Sousa Tavares revelou que a sua ligação com o grupo é antiga: "O Salvador [Seabra, baterista] foi quem conheci primeiro, há muito tempo. Já vivemos tantas e tão variadas peripécias, que já éramos muito amigos quando se juntaram os restantes membros da banda e fomos todos colegas no mesmo liceu, o Maria Amália Vaz de Carvalho [em Lisboa], nos anos 2006-2009".

Quanto à abordagem orquestral à música dos Capitão Fausto, Sousa Tavares pretende "que a orquestra dialogue com a banda, mais do que simplesmente acompanhá-la". "Tenho tentado evitar a duplicação da banda, sermos simplesmente um background tipo karaoke para o Tomás cantar por cima", explica. "Houve uma grande preocupação em não obstruir o registo vocal e instrumental mais importante de cada momento, captar o espírito de cada canção e ao mesmo tempo mostrar diferentes facetas da orquestra. Haverá um bocadinho de tudo, desde o som sedoso tipo orquestra de cordas de Hollywood dos anos 40 até uma introdução quase satânica para uma das canções, a pedido do Tomás, que teve uma 'visão Wagneriana'".

"As canções que não terão orquestra são poucas, e criam um momento de variação no concerto", revela Sousa Tavares, admitido também que haverá "momentos em que a orquestra está a tocar sem banda. No fundo há de tudo, desde explosões de som até texturas incrivelmente delicadas", atravessando o repertório de quatro álbuns do grupo.

Convidados do podcast Posto Emissor da BLITZ, os Capitão Fausto definem este espetáculo como "uma espécie de baile com bom gosto, acompanhado por uma banda que, por acaso, somos nós" (palavras de Tomás Wallenstein) e "o concerto mais ambicioso que já fizemos" (Domingos Coimbra). "Nós escrevemos em pauta tudo o que está nos discos, [o Martim] pega nisso e reinterpreta, mantendo as melodias-chave, fazendo variações, acrescentando camadas, texturas e cores", descreve Wallenstein.

Ouça na íntegra a conversa com os Capitão Fausto no Posto Emissor:

O espetáculo dos Capitão Fausto no Campo Pequeno terá início às 22h00. Os bilhetes têm preços entre 17,50 e 25 euros. A plateia em pé está esgotada.