Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Festivais estrangeiros tremem com o coronavírus

As organizações de festivais como Glastonbury ou South By Southwest já falaram sobre a hipótese de cancelamento

Com a ameaça de uma pandemia de coronavírus, apesar de a Organização Mundial de Saúde continuar a manter a designação de epidemia, os festivais de música são eventos onde a hipótese de contágio e disseminação é grande. Investigações citadas hoje pela publicação norte-americana Rolling Stone concluíram, no passado, que as infeções ocorrem de forma mais expressiva do que a média em grandes eventos de música. Nesse sentido, foram já várias as organizações de festivais estrangeiros, como o britânico Glastonbury e o norte-americano South By Southwest, a partilhar as suas posições relativamente à questão.

O evento americano, que começa já no próximo dia 13 e se alonga até dia 22 de março, na cidade de Austin, no estado do Texas, vai realizar-se. Num comunicado publicado no site oficial do evento pode ler-se: "no que diz respeito ao corrente surto de coronavírus (COVID-19): o SXSW está a colaborar de perto, numa base diária, com agências locais, estatais e federais para planear um evento seguro. Como resultado deste diálogo e das recomendações das autoridades de saúde pública de Austin, o festival de 2020 vai realizar-se com a segurança como prioridade máxima". É desta forma que a organização reage a uma petição assinada por mais de 20 mil pessoas a pedir o cancelamento do evento.

Deste lado do Atlântico, a organização do festival de Glastonbury, cuja 50ª edição decorre entre 24 e 28 de junho e conta com artistas como Taylor Swift, Paul McCartney e Lana Del Rey no cartaz, também resolveu responder à preocupação dos fãs de música, garantindo que continuam a preparar o festival sem intenção de cancelar. Adrian Coombs, da organização, disse: "o Festival Glastonbury é planeado minuciosamente todos os anos e põe em ação todas as medidas necessárias para proteger o público e maximizar a segurança. Trabalhamos de perto com todas as agências relevantes e revemos sempre os nossos planos quando as circunstâncias se alteram. Com isso em mente e com o evento ainda a 16 semanas de se realizar continuamos a prepará-lo, monitorizando de perto os desenvolvimentos da situação com o coronavírus".

Também o festival de Coachella, que se realiza na Califórnia nos dias 10, 11, 12, 17, 18 e 19 de abril, deverá ir para a frente - pelo palco do evento norte-americano passarão nomes como Rage Against The Machine, Travis Scott ou Frank Ocean. Contudo são já vários os artistas a cancelar digressões devido ao coronavírus, casos de National, Foals, Green Day ou os portugueses :Papercutz, que cancelaram recentemente uma série de concertos que tinham marcados para a China, e também várias as marcas a retirar a sua presença e os seus representantes em grandes eventos. Uma das medidas que alguns grandes festivais norte-americanos podem adotar, segundo o artigo da Rolling Stone, é o controlo da temperatura corporal do público à entrada dos festivais, através de câmaras de imagem térmica.