Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Miguel Araújo n'O Sol da Caparica

João Cautela

A loucura da passagem de ano de Miguel Araújo no Porto

Vídeo mostra a Avenida dos Aliados repleta de espectadores, celebrando ao som de 'Talvez se eu Dançasse'

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Miguel Araújo foi o músico escolhido para dar as boas-vindas a 2020, na passagem de ano na Avenida dos Aliados, no Porto.

Perante uma enorme multidão, o cantor-compositor apresentou temas como 'Talvez se eu Dançasse', single lançado recentemente, persuadindo os espectadores a acompanhar os seus descomplexados passos de dança.

Veja aqui:

Recentemente, Miguel Araújo disse à BLITZ que esta é uma canção “sobre perder a vergonha, ou por outra, uma observação sobre o que aconteceria se dançássemos com a desenvoltura de quem não se sabe observado”.

A mensagem falou ao coração de muitos ouvintes. “Recebi mensagens de pessoas que não sonhava serem tímidas”, espanta-se Miguel Araújo. E outros fãs, em vez de palavras, enviaram vídeos seus a recriar a coreografia do vídeo. “As pessoas começaram a enviar reações, dançando nos mais variados contextos, como escritórios ou escolas. E desafiavam-se umas às outras, como no bucket challenge. Daí nasceu a segunda versão do vídeo, que o André Tentugal fez com vídeos dos fãs”, diz Miguel Araújo, para quem a dança, nesta letra, é “só uma metáfora” para a timidez de que também padece. “Um amigo disse-me: 'lá está o Miguel a escrever sobre ele próprio', e é verdade. É uma canção sobre timidez. Estive a ver e não há muitas!”.

Para Miguel Araújo, 'Talvez Se Eu Dançasse' marca o começo de uma nova era. Depois de terminado o seu contrato de três álbuns com a Warner, o músico do Porto decidiu não renová-lo e apostar na edição independente.

Ao invés de pensar num novo álbum, Miguel Araújo deverá agora concentrar-se em canções isoladas. “Nem lhe chamo single, porque isso pressupõe a existência de um todo narrativo e estético. Decidir isso libertou certos bloqueios”, garante, contando que vai para o seu estúdio trabalhar, todos os dias, das 10h às 18h, e que já tem “80 músicas acumuladas. É muito libertador pensar que não tenho de me preocupar se as canções fazem sentido umas com as outras”.

Na noite da passagem de ano no Porto atuou também, antes do fogo de artifício, Tiago Nacarato.