Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Ornatos Violeta fotografados no seu estúdio, no Porto, em outubro de 2019

Fernando Veludo/nFactos

Ornatos Violeta falam sobre os concertos 360º: “As pessoas pagaram só para nos ver. Sabemos que vão estar ali por nós, pelos cinco”

Quinta e sexta-feira os Ornatos Violeta jogam em casa, tocando “O Monstro Precisa de Amigos” na Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota. “O público não é estúpido e espera ouvir as nossas músicas vivas, caso contrário vai ouvir o álbum”

Os Ornatos Violeta dão dois concertos esta semana na Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota (quinta e sexta, 31 de outubro e 1 de novembro, respetivamente), celebrando no Porto os 20 anos do seu segundo e último álbum, “O Monstro Precisa de Amigos” (Lisboa verá chegar a sua vez a 6 de dezembro no Campo Pequeno).

Entrevistados pela BLITZ nas vésperas dos mesmos, a banda afirma-se expectante em relação aos espetáculos ("é complicado imaginar-me vigiado por todo o lado", admite o teclista Elísio Donas), mas entusiasmada pelo desafio de atuar no centro da arena, rodeada por público.

Comparando estes concertos com os espetáculos já realizados este ano em festivais (NOS Alive, MEO Marés Vivas, Maré de Agosto e F), os cinco Ornatos acusam a responsabilidade acrescida. "Num festival tens públicos muito diferentes. Não é mentira nenhuma dizer que a maior parte daquelas pessoas estavam lá para nos ver e que adoram Ornatos Violeta, mas apanhas também mais alguns milhares de pessoas", afirma Elísio Donas. "Num concerto em nome próprio é diferente, as pessoas pagaram só para nos ver. É um outro carinho, porque sabemos que aquelas pessoas estão ali por nós, pelos cinco. Isso é muito marcante!", admite.

O assinalar do 20º aniversário do segundo e último álbum acontece porque "a fotografia [antiga] nos parece ainda muito atual", reconhece o baterista Kinörm. "O principal desafio foi perceber qual era a motivação. Tem de ser interpretado da forma que me dá prazer agora. Tem de ser algo sentido, não é um processo cerebral", completa o vocalista Manel Cruz.

Para aquele que é também o letrista da banda, "foi preciso vencer um certo pudor de mexer num património musical que já não era só nosso. É preciso fazê-lo com respeito, porque os Ornatos dizem muito a muita gente. Ao mesmo tempo, o público não é estúpido e espera ouvir as nossas músicas vivas, caso contrário vão ouvir o álbum. Se as tentássemos tocar tal como eram, iríamos descobrir que podiam já estar mortas".

O concerto de quinta-feira principia às 21h30 e já se encontra esgotado. Para o espetáculo de sexta (1 de novembro), às 22h00, existem unicamente bilhetes de plateia em pé.

Recorde-se que a 22 de novembro os Ornatos Violeta celebrarão o 20º aniversário do álbum "O Monstro Precisa de Amigos" com a edição de uma caixa especial. Esta nova edição de “O Monstro Precisa de Amigos” foi, comunica a editora Universal, "alvo de um cuidado trabalho de design, em parceria com os elementos da banda (...), transportando a experiência de ouvir os Ornatos Violeta para o século XXI".